Províncias

Faltam professores e salas de aula no Ekunha

Justino Vitorino |Ekunha

O sector da Educação do município do Ekunha, na província do Huambo, necessita de 674 salas de aula e 380 professores para o ensino primário e 1º ciclo do ensino secundário, que tem matriculados no presente ano lectivo 225 mil alunos.

O sector da Educação do município do Ekunha, na província do Huambo, necessita de 674 salas de aula e 380 professores para o ensino primário e 1º ciclo do ensino secundário, que tem matriculados no presente ano lectivo 225 mil alunos.
A revelação foi feita, esta semana, naquela circunscrição, pelo chefe da repartição municipal de Educação, Isaías Félix, quando apresentava as preocupações do seu sector, relativamente ao ano lectivo de 2010, ao governador provincial do Huambo, Faustino Muteka, durante uma visita de trabalho ao município.
O sector de Educação do município conta com mais de 700 professores, distribuídos por 56 escolas, 33 das quais na comuna sede, e 23 na do Tchipeio. Segundo o responsável, o número é insatisfatório, pelo que necessita, com urgência, de mais 380 docentes.
Isaías Félix disse que o município tem, actualmente, 180 salas de aula que funcionam em condições pouco dignas, pelo facto de muitas delas estarem degradadas.
No âmbito do Programa de Investimentos Públicos (PIP) do governo do Huambo para o biénio 2009/2010, estão em construção nove salas de aula a nível da sede municipal, com vista a acomodar mais alunos e diminuir o número de crianças que ainda estudam debaixo das árvores, em capelas e igrejas.
Durante o presente ano lectivo, 24.576 alunos, da iniciação à 6ª classe, foram inseridos no sistema normal de ensino, enquanto 676 outros, da 7ª à 9ª classes, estão matriculados no primeiro ciclo do ensino secundário.
De acordo com Isaías Félix, 7.200 crianças estudam em salas de aula e 18.052 estudam ao ar livre, por falta de salas. Acrescentou que um universo de 5.516 crianças se encontra fora do sistema normal de ensino, facto associado ao reduzido número de professores.
Isaías Félix assegurou que, para este ano, foram disponibilizadas 282 vagas para ingresso de novos professores com o objectivo de reforçar o quadro da rede escolar do município.

Saúde

A rede sanitária do município conta com 173 trabalhadores, entre enfermeiros gerais, auxiliares, pessoal administrativo e um médico de nacionalidade cubana, especializado em saúde preventiva. Para uma cobertura razoável, o município necessita de mais 90 técnicos.
Benedito André, chefe da Repartição Municipal da Saúde, anunciou que não há falta de medicamentos essenciais, uma vez que estes chegam com regularidade aos doentes que padecem, principalmente, de malária, uma das doenças endémicas na região, atingindo anualmente 9.437 pessoas.
“Felizmente, não temos problemas com medicamentos. Os nossos stocks têm sido regularmente repostos”, declarou.
O sector dispõe de sete unidades sanitárias, entre as quais um hospital municipal, três postos de saúde e três centros médicos, funcionando um deles em instalações provisórias localizadas na comuna do Tchipeio. Benedito André reconheceu que o sector pode melhorar a prestação de serviços no município e aumentar o nível de qualidade da assistência médica, com mais investimentos. Estão em construção quatro unidades sanitárias nas localidades de Sambalundo, Tchilela e Cangombe. “Tão logo se concluam essas unidades sanitárias, veremos aumentada a nossa capacidade de atendimento”, disse.

Vacinação

Mais de 14 mil crianças, dos zero aos cinco anos de idade, foram vacinadas, durante a campanha de vacinação contra a poliomielite que decorreu de 7 a 9 do mês em curso. De acordo com o supervisor da repartição municipal do Programa Alargado de Vacinação daquela circunscrição, Afonso Curte Brito Real, as jornadas de vacinação contra a paralisia infantil, no município do Ekunha, ultrapassaram as expectativas, com uma cifra inicial de mais de 14 mil crianças imunizadas.
Durante os três dias de campanha, referiu Afonso Real, foram visitadas cerca de 4553 aldeias. A campanha envolveu 34 brigadas, entre membros das Forças Armadas, voluntários de igrejas, encarregados de educação e membros de organizações não governamentais sedeadas no município.      
Para o êxito da campanha, foram disponibilizadas, através  da Direcção Provincial da Saúde no Huambo, 22500 doses de vacinas.
Na aldeia de Sambalundo, que se situa 22 quilómetros a Norte da vila do Ekunha, foi registado em Abril deste ano o primeiro caso de poliomielite, que mereceu uma especial atenção por parte das autoridades sanitárias daquela circunscrição.     

Potencialidades agrícolas

Embora parte significativa das terras sejam férteis e o clima favorável, a agricultura praticada, normalmente de subsistência, está longe de atingir os níveis desejados, se comparada com as reais potencialidades do município.
Agostinho Kaliki, administrador municipal do Ekunha, disse que durante a campanha agrícola 2009/ 2010, mais de 14.772 famílias foram mobilizadas e apoiadas pelo governo da província, através da direcção provincial da Agricultura, com fertilizantes, sementes de diversos hortícolas, adubos, catanas, enxadas, bois de tracção, tractores e outros meios, no quadro do Programa de Desenvolvimento e Extensão Rural (PDER).
Foram desbravados para cultivo de cereais 13.200 hectares de terras aráveis, menos 201 do que o previsto. Este facto, segundo aquele responsável,  vai fazer com que não se atinjam as metas de produção preconizados, admitindo que o défice pode ser recuperado na próxima campanha agrícola, se mais investimentos forem feitos para envolver outras famílias no processo de desbravamento de  mais áreas de cultivo.
“Com mais investimentos, podemos na próxima campanha agrícola aumentar as terras de cultivo e ultrapassar as metasde produção preconizadas”, garantiu o administrador municipal.

Escolas de campo

Para a formação sobre novas tecnologias de produção foram criadas nove escolas. Segundo Agostinho Kaliki, a metodologia seguida baseia-se em técnicas de educação de adultos, respeita e valoriza as experiências e conhecimentos dos camponeses, incorporando-os no processo de aprendizagem através da troca de experiências, principalmente na instalação de parcelas de estudo diversificado e manuseio integrado de plantas.
“Ensinamos aos nossos camponeses novas tecnologias de produção sem esquecer os conhecimentos que possuem das suas terras”, referiu Agostinho Kaliki.
Das 133 organizações de camponeses, 24 são associações, uma cooperativa agro-pecuária e 75 fazendas, que contam com apoio do Instituto de Desenvolvimento Agrário, IDA, através da direcção provincial da Agricultura.
As culturas praticadas no município são a da batata rena, cebola, milho e os hortícolas.
 Os níveis de produção da batata rena são ainda muito baixos, principalmente nesta época, devido à pouca quantidade de sementes, de acordo com as explicações do administrador do Ekunha.

  Sector das águas

O Ministério da Energia e Águas, em parceria com a sua direcção provincial, tem estado a proceder ao estudo e à elaboração de um projecto de construção de uma mini hídrica a partir do rio Kuito, aguardando apenas pela inclusão desta acção no Programa de Investimentos Públicos, para fornecer energia às sedes municipais e à comuna do Tchipeio, bem como a outras povoações mais importantes do município, o que poderá impulsionar o crescimento integrado da região.
O abastecimento da água à sede municipal, feita por gravidade, está calculado em 40 por cento da capacidade instalada, devido ao acentuado estado de degradação da conduta, e em 100 por cento na comuna do Tchipeio.
Agostinho Kaliki reforçou que, no âmbito do “Programa Água para Todos” está prevista a construção de três sistemas de captação, tratamento e distribuição de água canalizada, sendo uma na sede municipal e as outras duas nas localidades de Caliamamo
e Chitatamela.
Ainda segundo o administrador, a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural participou no processo de abastecimento de água com a construção de 10 furos nas localidades de Calupele e Dondero.
No âmbito do decreto 02/07, de 3 de Janeiro, a Administração Municipal do Ekunha passou a ser uma unidade orçamental, desconcentrada financeiramente, e as primeiros verbas recebidas no ano passado permitiram a reabilitação de cinco quilómetros de estrada terraplanada e das ruas internas do município, e a recuperação das pontes metálicas e de betão armado sobre o rio Canomba, na via Ekunha/Ukuma. Foram também reabilitados o parque infantil, postos e centros de saúde na sede municipal, localizado a 30 quilómetros do Huambo, com uma superfície de 1.671 quilómetros quadrados e uma população calculada em 84 mil habitantes, na sua maioria camponeses.
O município do Ekunha tem limite a Norte com o município do Londuimbali e Caála e a Este com município do Ukuma e Longonjo.

Tempo

Multimédia