Províncias

Famílias vão ser formadas para fomentar a agricultura

Lourenço Bule | Menongue

Famílias camponesas das regiões afectadas pela estiagem vão beneficiar de formação técnica para o desenvolvimento da agricultura sustentável, com vista a se dar maior dinâmica ao programa de combate à fome e à pobreza, garantiu em Menongue, Cuando Cubango, o secretário de Estado para a Acção Social.

Lúcio do Amaral garante que os camponeses vão receber apoio para aumentarem a produção
Fotografia: Nicolau Vasco | Edições Eovembro

Lúcio do Amaral, que falava no final da sua visita de três dias ao Cuando Cubango, para avaliar a situação da estiagem, explicou que o programa de formação técnica vai arrancar ainda no decurso deste ano e será desenvolvido pelo Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, em parceria com os ministérios da Agricultura e Pescas, com a criação de escolas de campo.

Lúcio do Amaral garantiu que a curto prazo os ministérios da Agricultura e Pescas vão pronunciar-se sobre o assunto, depois da apreciação de todos os relatórios que estão a ser feitos sobre a estiagem a nível das províncias afectadas.
“A situação da província do Cunene é muito diferente da região do Cuando Cubango, sendo esta última bastante rica em recursos hídricos, razão pela qual é necessário aproveitar esta riqueza para a implementação da agricultura sustentável”, disse.
O secretário de Estado para a Acção Social garantiu ainda que este ano as populações afectadas pela estiagem na província do Cuando Cubango vão beneficiar de ajuda alimentar e de instrumentos agrícolas.
Disse que uma das estratégias para mitigar a estiagem no Cuando Cubango é a preparação de terras ao longo das margens dos rios com água corrente, para que as populações desenvolvam a agricultura, visto que os locais tradicionais já não são favoráveis para o desenvolvimento da mesma.
Durante os três dias de trabalho na província do Cuando Cubango, Lúcio do Amaral visitou os municípios de Menongue, Cuito Cuanavale e Cuchi, onde constatou que a estiagem na província é acentuada, visto que as culturas secaram devido à falta de chuvas.
Lúcio do Amaral acrescentou que esta situação vai obrigar que o Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher continue a prestar assistência alimentar às populações afectadas.
De acordo com o secretário de Estado, durante a primeira época do ano agrícola 2018-2019, no Cuando Cubango registaram-se fracas chuvas. Lúcio do Amaral disse que a partir da primeira quinzena do mês de Janeiro até ao momento do inquérito registou-se ausência de precipitação em quase toda a província, o que confirma o quadro de estiagem severa, afectando profundamente a produção dos camponeses.
A vice-governadora do Cuando Cubango para o sector Económico, Político e Social, Sara Luísa Mateus, disse que a nível da província os administradores municipais foram orientados para distribuírem terras para o cultivo aos camponeses, ao longo das margens dos rios.
Sem avançar os hectares disponíveis para cada família camponesa, Sara Luísa Mateus disse que tudo está a ser feito para que todos possam beneficiar deste projecto que visa garantir um maior e melhor desenvolvimento da agricultura na região.
“Temos de fazer alguma coisa, não podemos viver só de ajuda de bens alimentares. O Governo do Cuando Cubango vai continuar a procurar zonas baixas ao longo dos rios, para que possam ser entregues às famílias camponesas, para o desenvolvimento de uma agricultura sustentável”, disse Sara Luísa Mateus, para acrescentar que as mais de 70 mil famílias afectadas pela estiagem necessitam de assistência alimentar e de meios de produção, para que não se tornem totalmente dependentes, visto que a região conta com vários rios.
Sara Luísa Mateus explicou que a nível da província do Cuando Cubango as áreas mais afectadas pela estiagem são os municípios da orla fronteiriça com a vizinha Namíbia, mormente o Cuangar, Calai e Dirico.
Sara Luísa Mateus disse que dentro de poucos dias serão desenvolvidos vários programas para a mobilização das populações camponesas, para que possam desenvolver a agricultura ao longo das margens dos rios.

Tempo

Multimédia