Províncias

"Gás Rural" trava abate de árvores

Mazarino da Cunha | Cabiri

As populações da comuna de Cabiri, município de Icolo e Bengo, dispõem de uma unidade de enchimento de gás butano, com capacidade para  1.200 garrafas por dia, inaugurada ontem no âmbito do projecto “Gás Rural”.

O projecto “Gás Rural”, da empresa Sonagás, subsidiária do Grupo Sonangol, vai abranger várias regiões do país, com o objectivo de aumentar a oferta de gás butano para milhares de famílias e desencorajar a prática de abate de árvores para a produção de carvão.
Na cerimónia, que marcou a inauguração da primeira unidade de enchimento de gás na comuna de Cabiri, foram entregues às famílias um fogão, mangueira, retentor e uma botija. O projecto, orçado em 400 mil dólares, permitiu a criação de oito empregos directos e 120 indirectos para jovens. O presidente da comissão executiva da Sonagás, Ruben Costa, disse que estão em fase de identificação e estudo outras áreas onde vão ser instaladas nos próximos meses unidades de enchimento de gás de cozinha.
Além de fornecer gás a baixo preço, em comparação com os centros urbanos, o projecto “Gás Rural” pretende sensibilizar as populações para o uso correcto dos utensílios e os cuidados a ter com o gás butano, que pode ser fatal se não for bem manuseado.
Isabel Fernandes, moradora da comuna de Cabiri, realçou a importância da instalação da unidade de enchimento e disse que fica mais prático e barato comprar o gás próximo de casa.
Antes, disse, ia a Catete para comprar o gás, no valor de 1.200 kwanzas a botija de 12 quilos, mas nem sempre havia. O projecto estabelece 600 kwanzas como preço de venda da botija de gás de cozinha de 12 quilos para as zonas rurais.

Tempo

Multimédia