Províncias

Governador chama à razão comerciantes especuladores

Nicodemos Paulo | Uíge

O governador provincial do Uíge recordou aos agentes económicos locais que a fixação de preços dos produtos deve obedecer a critérios básicos pré-estabelecidos pelo Governo, que são de cumprimento obrigatório, e quem desobedece estes critérios incorre em multas ou privação dos seus alvarás comerciais.

Supermercados alteram deliberademente os preços dos produtos essenciais sem a anuência da entidade competente
Fotografia: Edições Novembro

Pinda Simão proferiu estas palavras em face da alta de preços dos produtos da cesta básica, que está a ser praticado por comerciantes na província, sobretudo os que estão localizados nas localidades mais povoadas.
O governante, que falava durante o acto de abertura do Conselho Consultivo da Delegação Provincial do Ministério do Interior, apelou ao Serviço de Investigação Criminal (SIC) e outras estruturas policiais, para fiscalizarem as actividades dos agentes económicos, com vista a impedir a especulação de preços dos produtos da cesta básica.
“Muitos agentes comerciantes aproveitam-se da actual conjuntura para fixar preços dos produtos da cesta básica como os convir. Esta atitude, que constitui crime, penaliza o pacato cidadão”, frisou.
“Todos os dias”, prosseguiu, “chegam-nos relatos de populares que foram ludibriados por empresários desleais, movidos pela ânsia do lucro fácil. São pessoas que agem sem meias medidas para encherem os bolsos, aproveitando-se da desinformação de alguns cidadãos”.
Além das infracções económicas, Pinda Simão manifestou, preocupação com os casos de narcotráfico, migração ilegal e a delinquência juvenil, que se verificam na província. “O narcotráfico, as redes que apoiam a migração ilegal e outros círculos de crimes organizados, constituem verdadeiros factores de desestabilização social na província”, afirmou, para acrescentar:“Temos de incrementar mais acções de fiscalização para travar estes criminosos”.

Canais de denúncia
O governador Pinda Simão defendeu a abertura de linhas telefónicas nos piquetes dos comandos policiais e no serviço de Investigação Criminal, para atender às denúncias diversas.
“Constantemente cidadãos agastados denunciam comportamentos desonestos de alguns operadores económicos, sobretudo, no que toca à especulação de preços. Para contrapor esta situação, devemos potenciar os órgãos do Ministério do Interior no Uíge com ferramentas técnicas, capazes de facilitarem a interacção com o público”, frisou.
Pinda Simão disse que a Polícia deve fazer por resgatar a confiança das populações. “A Polícia tem de criar vínculos de confiança com os diferentes estratos sociais”, frisou.
O delegado provincial do Interior e Comandante Provincial da Polícia, comissário Leitão Ribeiro, assegurou que os órgãos policiais vão incrementar as acções nas zonas fronteiriças, com vista a garantir a inviolabilidade da fronteira.
Leitão Ribeiro disse que a corporação na província do Uíge vai igualmente sensibilizar automobilistas para a diminuição da sinistralidade rodoviária na província, que nos últimos tempos tem registado muitos casos.

Tempo

Multimédia