Províncias

Governo expande rede sanitária no Balombo

O Governo Provincial de Benguela vai lançar um programa de expansão da rede sanitária às zonas mais recônditas do município de Balombo, no âmbito das acções de aproximação dos serviços essenciais à população, anunciou terça-feira a administradora municipal adjunta.

Mais unidades de saúde nas zonas rurais
Fotografia: José Soares

Lúcia Moisés avançou que o Governo pretende levar a cabo o referido programa, para que a população das zonas mais recônditas do município deixe de percorrer grandes distâncias para ter acesso à assistência médica.
A administradora adjunta avançou que, neste momento a municipalidade, em termos de infra-estruturas sanitárias, conta com um Hospital Municipal, sete centros e cinco postos de saúde, oito salas de partos e um serviço materno-infantil, além da maternidade.
Em função dos referidos serviços, a administradora municipal adjunta refere que as autoridades sanitárias conseguiram reduzir significativamente o número de óbitos nas unidades clínicas, quando comparado com os anos passados. Durante o primeiro trimestre deste ano, a ­municipalidade registou 22.595 doentes nas unidades clínicas e 215 óbitos, com maior predominância para crianças com menos de cinco anos.
Em 2015 a situação foi melhor para o sector, que registou 13.201 doentes e 90 óbitos. Nesse ano, as crianças menores de cinco anos também, foram as mais afectadas com 6.182 dos casos de infectados. Houve 55 mortes por malária. Para assegurar o funcionamento das referidas unidades sanitárias, o município conta com um quadro de trabalhadores estimado em 240, o que a administradora adjunta considera razoável para acudir os casos atendidos na região.

Formação técnica


As escolas de formação de quadros de saúde devem ser mais aguerridas na sua actividade, para que os técnicos tenham competência para garantir qualidade na sua prestação, defendeu o director provincial da Saúde de Benguela.
Bernabé Lemos sublinhou ainda que as escolas devem preparar a consciência dos técnicos, para que estes saibam que “o trabalho com seres humanos é feito de forma ­desinteressada e de modo profissional”, com vista a banir as condutas indecorosas a nível do sector. O director provincial de Saúde criticou a qualidade de algumas escolas, acusando-as de estarem aquém do desejado, apelando para que se aposte mais na qualidade da formação dos técnicos.
Bernabé Lemos chamou igualmente a atenção dos pais e encarregados de educação para a necessidade de alimentarem bem os filhos, no sentido de se evitarem os casos de desnutrição e de outras enfermidades, como as infecções.

Tempo

Multimédia