Províncias

Governo recupera em Cabinda fábrica de prensado de madeira

André Guto | Cabinda

O governo da província de Cabinda prevê investir 10,5 milhões de euros na recuperação da antiga fábrica de contraplacados e prensado de madeira Panga Panga, paralisada há mais de 15 anos devido a uma avaria na caldeira.

Nos momentos áureos a fábrica produzia 15 mil metros cúbicos de contraplacado por ano
Fotografia: JA

O governo da província de Cabinda prevê investir 10,5 milhões de euros na recuperação da antiga fábrica de contraplacados e prensado de madeira Panga Panga, paralisada há mais de 15 anos devido a uma avaria na caldeira.
O secretário provincial da Indústria, Geraldo Ndubo Paulo, disse que o valor pode ser reajustado, já que a empresa a quem foi adjudicada a obra, em 2006, não começou os trabalhos, mesmo depois de lhe ter sido pago um adiantamento.
O valor adicional das obras, cujo prazo de execução foi de 18 meses, vai ser suportado pelo Ministério da Indústria, no âmbito do seu programa executivo, afirmou Geraldo Ndubo Paulo.
A fábrica, que tinha uma capacidade de produção anual de 15 mil metros cúbicos de contraplacados e 7.500 metros de madeira serrada e duas linhas de produção, apresenta um aspecto desolador, caracterizado pela degradação total das suas infra-estruturas e equipamentos.
A Panga Panga, cerca de 9 quilómetros a norte da cidade de Cabinda, funcionou, nos seus momentos áureos, com 470 trabalhadores, 250 na área fabril e serração e 220 no sector florestal. A zona de exploração era no município de Buco-Zau e Belize.
A fábrica, transformada num recinto de depósito de sucatas de viaturas, de estaleiro e de fabrico de blocos, apenas funciona com a área de serração de madeira, com 24 operários, que estão há 41 meses sem receber o salário.
João Bazunga, chefe de serração, é dos poucos trabalhadores que ainda acredita em dias melhores. Panga-Panga, apesar de ciente que a falta de clientes faz com que a madeira não tenha saída.
O contrato celebrado, em 2006, entre o governo provincial e a empresa Aziconstroi, encarregada de reabilitar a fábrica, frisou, estipulava que esta devia pagar os salários em atraso, mas tal nunca aconteceu.
“A empresa limita-se a utilizar o recinto da fábrica para fabrico de blocos para construção civil”, lamentou.

Ministro visita a fábrica

O ministro de Indústria, que esteve recentemente em Cabinda, visitou a fábrica para se inteirar do seu estado e encontrar soluções para a sua recuperação.
Joaquim David reuniu-se com os poucos trabalhadores, dando-lhes garantias que o Governo se vai empenhar na reabilitação da fábrica, tendo em conta a sua importância no sector para o país.
“Lamento o estado em que se encontra a fábrica de contraplacados, mas prometo que, no âmbito do programa executivo da Indústria, vamos encontrar uma solução para implementação do projecto de recuperação da Panga-Panga”, disse.
Joaquim David sublinhou que a recuperação da fábrica constitui uma mais-valia para o país em geral e, em particular para Cabinda, tendo em conta que o potencial da província potencial em recursos florestais.

Tempo

Multimédia