Províncias

Gravidez precoce preocupa autoridades

Marcelo Manuel Ndalatando

Os casos de gravidez e casamentos precoces na província do Cuanza Norte é analisado, desde ontem e até amanha, em Ndalatando, num fórum estratégico, disse ontem Pedro Mucano, coordenador do grupo Médicos do Mundo.

Situação é cada vez mais preocupante
Fotografia: Marcelo Mateus | Ndalatando

Pedro Mucano, coordenador do grupo Médicos do Mundo, um dos parceiros sociais do governo, revelou que dados do Ministério da Saúde dão conta que actualmente a gravidez precoce contribui com cerca de 7,5 por centos do abandono e do não acesso escolar.
Promovido pelo Governo Provincial do Cuanza Norte, o encontro realiza-se numa altura em que as autoridades se mostram  preocupadas com a gravidade da situação.
Três por cento do total geral de casos verificam-se entre jovens dos 12 aos 14 anos, enquanto outros sete por centos são verificáveis na faixa etária que vai dos 15 aos 17, explicou Pedro Mucano, que salientou que os dados demonstram a necessidade urgente da intensificação articulada da atenção no que toca à gravidez no seio das adolescentes. “Se hoje estamos  reunidos é porque reconhecemos a importância do combate à este fenómeno, que acarreta consequências drásticas a nossa sociedade.”
Para o êxito do combate à gravidez e ao casamento precoce é necessário a articulação e interligação de esforços conjugados entre os vários sectores do Estado e particulares, pelo facto do problema em causa estar estreitamente ligado à factores económicos e culturais, sublinhou Pedro Mucano.
O vice-governador para o sector Económico do Cuanza Norte, Manuel Abreu, considerou a gravidez e o casamento precoces em África como práticas culturais que afectam a integridade das raparigas, constituindo plenas violações dos direitos da criança e representam o comprometimento da sua intergeração social e económica.

Vivências da infância

Manuel Abreu frisou que o casamento infantil priva as jovens  das melhores vivências de sua infância, para além de perturbar o seu processo educativo e instrutivo. “O casamento prematuro pode ainda restringir as oportunidades das adolescentes no que diz respeito à auto afirmação, aumentando os seus riscos no que toca à violência e abusos, a par de pôr em causa a sua saúde física e mental.”
O vice-governador para o sector Económico do Cuanza Norte advertiu que a gravidez e o casamento precoces podem contribuir em grande medida para   as meninas  assumirem  responsabilidades para as quais não estão física nem psicologicamente preparadas.
Manuel Abreu apontou a pobreza, analfabetismo, questões culturais e a falta de informação suficiente e adequada como os principais factores que contribuem para o surgimento da gravidez precoce e advogou a necessidade da conjugação de esforços para a aquisição de políticas e estratégias clarificadas com vista à sua diminuição.

Tempo

Multimédia