Províncias

Hospital Geral do Cuando Cubango tem falta de médicos e enfermeiros

Lourenço Bule | Menongue

O Hospital Geral do Cuando Cubango carece de 41 médicos de diversas especialidades e mais de 300 enfermeiros para responder aos pacientes que diariamente procuram a unidade sanitária, informou, na semana finda , em Menongue, o director da instituição.

A falta de técnicos tem causado muitos embaraços à prestação de um serviço de qualidade
Fotografia: Edições Novembro

Fernando Cassanga explicou que o Hospital Geral do Cuando Cubango tem apenas 25 médicos e 251 enfermeiros, situação que tem causado inúmeros embaraços à prestação de um serviço médico de qualidade.
“A unidade sanitária, para o seu normal funcionamento, necessita de 66 médicos de diversas especialidades, 629 enfermeiros, 263 técnicos de apoio hospitalar, 57 trabalhadores administrativos e 44 técnicos de diagnóstico e terapia.”
Fernando Cassanga disse que o Hospital Geral do Cuando Cubango atende um universo de 854.258 habitantes a nível da província, dos quais 513.374 são do município de Menongue. Fernando Cassanga realçou que a unidade hospitalar tem capacidade para 199 camas. As áreas de medicina e neonatologia ocupam diariamente 38 camas cada, pediatria 33, obstetrícia 30, cirurgia 26, observação 17, ortopedia dez e ginecologia oito.

Mortes hospitalares
O director do Hospital Geral do Cuando Cubango disse que 52 pessoas, entre crianças e adultas, morreram vítimas de malária, na unidade sanitária, dos cerca de 4.705 casos registados de Janeiro a Dezembro de 2018.
Durante o período em referência, acrescentou, registaram-se ainda 51 mortes por outras doenças, sete mortes por VIH/Sida, dos 193 casos registados, sete mortes por doenças diarreicas agudas, das 323 notificações, dois óbitos causados por doenças respiratórias agudas, das 361 participações, e dois falecimentos por tuberculose pulmonar, dos 361 casos registados. Fernando Cassanga disse que, durante o ano transacto, realizaram-se no Hospital Geral do Cuando Cubango 285 cesarianas e oito crianças nasceram sem vida.
Realizaram-se ainda 245 pequenas cirurgias e 66 grandes cirurgias.
Fernando Cassanga explicou que o banco de urgência atendeu 11.931 pacientes durante o ano de 2018, com uma média mensal de 994 internamentos.A área das consultas externas atendeu 15.937 doentes, com uma média de internamento de 1.328 pessoas por mês.

Tempo

Multimédia