Províncias

Hospital Geral do Huambo tem uma nova Direcção

O médico e vice-decano da Faculdade de Medicina da Universidade José Eduardo dos Santos, Welema Cipriano da Fonseca, foi nomeado, ontem, director-geral do Hospital Geral do Huambo, em substituição de João Fernando Chicoa. O governador do Huambo exonerou, na sexta-feira, a direcção do Hospital Geral do Huambo e nomeou outra, que toma posse hoje, noticiou, ontem, a Angop.

O médico e vice-decano da Faculdade de Medicina da Universidade José Eduardo dos Santos, Welema Cipriano da Fonseca, foi nomeado, ontem, director-geral do Hospital Geral do Huambo, em substituição de João Fernando Chicoa. O governador do Huambo exonerou, na sexta-feira, a direcção do Hospital Geral do Huambo e nomeou outra, que toma posse hoje, noticiou, ontem, a Angop.
Integram também a direcção do Hospital Geral, o médico Fernando Felisberto da Conceição Almeida, nomeado para exercer as funções de director clínico, Kalende Menezes Kalivala, para a área de enfermagem, Bernardo Domingos Elavoco, para a administração, e a médica Natércia Paulina Simba, para a direcção de questões cientificas e pedagógicas, um novo departamento no quadro orgânico da unidade hospitalar.
A antiga direcção - liderada por João Fernando Chicoa e  da qual faziam também parte o médico Nicolau Felisberto Sandambongo (director clínico), Justino Chimuco (director de enfermagem) e Alexandre Rodrigues Calopa (director administrativo) - foi acusada de má gestão. O Hospital Geral do Huambo, que beneficiou de obras de reabilitação e de equipamentos no valor de 36,4 milhões de dólares foi reaberto, em 11 de Novembro de 2009, pelo então Primeiro-Ministro, António Paulo Kassoma, actual presidente da Assembleia Nacional. Com 700 camas para internamento, o Hospital Geral do Huambo vê-se, regularmente, forçado a ultrapassar essa capacidade devido ao fluxo de doentes, provenientes dos 11 municípios do Huambo e das províncias do Kwanza-Sul, Huíla e Benguela.
O hospital atende, em média, por dia, 350 doentes no Banco de Urgência e interna, também diariamente, entre cem a 120 pacientes.
Entre as muitas dificuldades com que se debate a unidade hospitalar, sobressai a insuficiência do número de enfermeiros, já que dos 702 necessários apenas tem 352, que auxiliam 65 médicos.
O hospital oferece serviços nas especialidades de medicina geral, cirurgia, ortopedia, pediatria, ginecologia e obstetrícia, psiquiatria, oftalmologia, otorrinolaringologia, estomatologia, cardiologia, cuidados intensivos e hemoterapia.

Tempo

Multimédia