Províncias

Abertura de novas estradas no Huambo facilita o escoamento de bens agrícolas

Marcelino Dumbo | Huambo

O ministro do Urbanismo e Construção, Fernando da Fonseca quarta-feira à inauguração de 346 quilómetros de estradas nacionais nos troços Cachiungo/Cutato, no Bié, Bailundo/Cachiungo, Bailundo/Mungo, no Hu­ambo, Balombo/Alto Hama, Benguela e Huambo, no quadro do programa do Executivo de extensão da rede viária.

Estradas completamente reabilitadas e modernas representam um passo importante no desenvolvimento de todas as províncias
Fotografia: Carlos Paulino

O ministro do Urbanismo e Construção, Fernando da Fonseca quarta-feira à inauguração de 346 quilómetros de estradas nacionais nos troços Cachiungo/Cutato, no Bié, Bailundo/Cachiungo, Bailundo/Mungo, no Hu­ambo, Balombo/Alto Hama, Benguela e Huambo, no quadro do programa do Executivo de extensão da rede viária.
Fernando da Fonseca disse, na cerimónia inaugural, que as estradas vão permitir a circulação e a extensão da administração para o apoio às populações, garantindo também a assistência médica e medicamentosa.
Com a inauguração destas estradas o escoamento de produtos do campo para os principais mercados de comercialização deixa de constituir preocupação para as populações, principalmente para aquelas que se dedicam à actividades agrícola.
A abertura das vias fundamentais, disse o ministro, representa a unidade nacional de todos os angolanos. Fernando da Fonseca reafirmou o compromisso do Executivo em continuar a construir e reabilitar outras vias de acesso.
O rei do Bailundo, Francisco Armando Kalupeteka (Ekuikui V), em declarações à imprensa, enalteceu o esforço do Executivo referindo que a estrada vai facilitar o intercâmbio entre as localidades. Em nome do seu povo, prometeu conservar este bem fundamental ao desenvolvimento do país.
O director provincial das Obras Públicas, José Adolfo, fez saber que 4.797quilómetros da rede viária, entre estradas secundárias e terciárias, já foram reabilitados no Huambo. Acrescentou que cerca de 120 quilómetros de ruas, dos municípios do Huambo, Caála, Bailundo, Tchicala-cholohanga e Cachiungo estão totalmente reabilitação, estando em curso a requalificação das ruas da vila do Longonjo.
As trocas comerciais e o escoamento de produtos do campo para os principais mercados aumentaram, principalmente nas zonas de maior produção, com a reabilitação das estradas nacionais, secundárias e terciárias.
As deslocações da cidade do Hu­ambo para o norte, leste e sul da província são feitas em pouco tempo, com ligação às províncias vizinhas de Malange, Bié, Kwanza-Sul, Benguela e Huila. José Adolfo disse que as obras no troço rodoviário Bailundo-Luvemba e Luvemba-Kassongue, na província do Kwanza-Sul, que tiveram início em Fevereiro deste ano, estão em fase de conclusão.
 O objectivo, sublinhou, é expandir a rede viária. No quadro do Programa de Investimentos Públicos, o governo do Huambo está a construir também três pontes de carácter definitivo sobre os rios Luvulo e Mutuacuva. 
No município do Mungo, o administrador municipal, António Kotingo, disse que está a ser feito um grande esforço para impulsionar o progresso e o bem-estar das populações.
António Kotingo salientou que o troço Mungo-Calussinga (Bié) ficou  intransitável durante mais de 30 anos, mas sublinhou que hoje as duas regiões voltaram a ser ligadas por terra. A comuna do Cuima, no município da Caála, e o sector do Ngove ficaram mais próximos, com as obras de recuperação deste troço. O administrador comunal, Faustino Tchinduva, argumentou que a circulação para várias regiões está agora mais facilitada, o que permite o ressurgir  de actividades comerciais.
Além de melhorar a circulação, a reabilitação de estradas está também a proporcionar emprego a muitos jovens da região.
Zacarias Cassinda, Anacleto Jamba e Menezes Molossande são jovens que antes exerciam actividades comerciais no mercado informal, mas dizem que com as obras de reabilitação de estradas conseguiram também os seus primeiros empregos.

Tempo

Multimédia