Províncias

Abre no Huambo escola privada que ministra formação superior

A província do Huambo vai contar com uma instituição privada de ensino superior, denominada Instituto Superior Politécnico de Humanidades e Tecnologias Ekuikui II (ISUPE), ligada à Universidade Lusófona de Portugal.

Uma escola privada abre no presente ano lectivo na provínvia do Huambo
Fotografia: Dombele Bernardo

A província do Huambo vai contar com uma instituição privada de ensino superior, denominada Instituto Superior Politécnico de Humanidades e Tecnologias Ekuikui II (ISUPE), ligada à Universidade Lusófona de Portugal.
O coordenador administrativo da nova escola superior, Carlos Matias de Brito, informou que vão ser ministrados cursos de bacharelato em Comunicação Aplicada - Marketing, Publicidade e Relações Públicas, Contabilidade e Administração, Informática de Gestão, além de licenciaturas em Engenharia informática, Educação Física e Desporto e Engenharia Civil.
O responsável do instituto superior informou que actualmente decorre o processo de inscrição dos estudantes no ISUPE e a selecção dos docentes e funcionários administrativos que vão garantir o funcionamento regular da instituição.
Carlos de Brito admitiu que a selecção dos candidatos à docência está a ser feita de forma cuidadosa, uma vez que o ISUPE pretende contratar professores capazes de corresponder aos mais altos padrões de qualidade de ensino, principal objectivo da instituição.
A prioridade é recrutar professores nacionais, embora não tenha descartado a hipótese de recorrer ao estrangeiro para contratar docentes das áreas técnicas, por haver um défice de quadros angolanos formados neste ramo. O ano lectivo no ISUPE arranca entre os meses de Março a Abril e vai estar dotado de bibliotecas virtuais, laboratórios e outros meios auxiliares para professores e alunos.
“Queremos ser uma instituição de referência nacional na formação de quadros qualificados e aptos para darem o seu contributo no processo de reconstrução e desenvolvimento do país. O nosso maior objectivo, é fazer com que os estudantes ao terminaremos seus cursos no ISUPE possam estar em condições de dar o seu contributo ao país”, afirmou Carlos de Brito.
Ainda de acordo com o coordenador administrativo do ISUPE, a instituição vai funcionar num edifício de quatro andares, com 36 salas, das quais 12 já estão em condições para acolher os primeiros estudantes.
Assegurou que os cursos estão a ser muito solicitados pela população estudantil que procura aumentar seus níveis académicos e formar-se em áreas que sempre desejaram.

Tempo

Multimédia