Províncias

Administrador pede maior envolvimento para resolução dos principais problemas

Juliana Domingos | Huambo

O administrador da Chipipa, no Huambo, Raimundo Rafael, pediu ontem um envolvimento maior dos parceiros sociais na reconstrução da comuna, para acelerar o seu desenvolvimento económico e social.

O sector da Educação e um dos que mais progressos tem registado nos últimos anos na província
Fotografia: Jornal de Angola

O administrador da Chipipa, no Huambo, Raimundo Rafael, pediu ontem um envolvimento maior dos parceiros sociais na reconstrução da comuna, para acelerar o seu desenvolvimento económico e social.
Em declarações aos jornalistas, Raimundo Rafael disse que a comuna pode conhecer um rápido desenvolvimento socioeconómico se contar com a participação de todos os seus parceiros e com a colaboração das populações.
A comuna da Chipipa começa a apresentar sinais de dinamismo, com um comércio cada vez mais agressivo e aumento do intercâmbio com as zonas mais distantes da vila, facilitado com a reabilitação da maioria das estradas secundárias e terciárias.
Apesar dos avanços registados na saúde e educação, a comuna ainda tem falta de técnicos para melhorar a qualidade dos serviços prestados às populações. Os quadros solicitados vão preencher as lacunas que se verificam para o bom funcionamento das estruturas e proporcionar mais qualidade de vida à população, assegurou Raimundo Rafael.
No presente ano lectivo, a comum matriculou cerca de 11.180 alunos, mas, por falta de espaço, muitos podem ter de ficar fora do sistema de ensino, razão pela qual são necessários mais técnicos e o envolvimento dos parceiros na resolução dos problemas que mais afectam a população. A comuna tem 33 escolas, 17 das quais de construção definitiva.
Quanto ao sector sanitário, confessou estar preocupado com a falta de centros de atendimento em algumas ombalas e aldeias, principalmente as geograficamente mais distantes da sede da comuna.
“Temos notado, com grande preocupação, que alguns doentes têm percorrido longas distâncias para serem tratados”, realçou. A Chipipa tem um posto fixo de vacinação, 75 parteiras tradicionais, nove unidades sanitárias e um centro de saúde que funciona com alguns serviços de urgência, internamento, pequena cirurgia, pediatria, medicina, obstetrícia e planeamento familiar.
O administrador Raimundo Rafael garantiu que, dentro em breve, começam as obras de construção de residências para os técnicos de saúde, professores e de unidades sanitárias nas ombalas.
A comuna da Chipipa tem seis ombalas e 92 aldeias, com uma população calculada em mais de 34 mil habitantes, na sua maioria camponeses.

Tempo

Multimédia