Províncias

Agricultores esperam boas colheitas

Estácio Camassete | Cuima

Agricultores e produtores da comuna do Cuima, município da Caála, prevêem colher este ano, mais de cem toneladas de alimentos, entre milho, feijão, mandioca, batata e hortícolas.

A produção agrícola este ano fica facilitada porque além da regularidade das chuvas os camponeses da região receberam diversos apoios
Fotografia: Jornal de Angola

Em declarações ao Jornal de Angola, o administrador comunal, Faustino Kapiñgala disse que a comuna foi desde os tempos passados reconhecida pelas suas potencialidades agrícolas, produzindo milho, feijão, mandioca, batata, frutas e hortícolas e este ano a colheita vai acima das cem toneladas.
A comuna recebeu da Mecanagro um tractor que desbravou mais de 15 hectares que permitiu aumentar a produção de feijão. A produção agrícola este ano fica facilitada porque além das chuvas que caíram regularmente, a comuna tem todas as suas vias de acesso reabilitadas, o que vai permitir a evacuação dos produtos do campo para os mercados mais próximos.
O Cuima é uma comuna rica em recursos florestais com grandes reservas de eucaliptos e pinheiros, actualmente sob controlo do Instituto Desenvolvimento Florestal (IDF), que vela pelo repovoamento e protecção contra incêndios e combate a exploração indiscriminada das espécies. Actualmente encontra-se na região uma empresa a efectuar limpeza para diminuir o lixo, substituir as antigas árvores e a reorganizar o perímetro, para evitar a progressão de fogos no cacimbo e a danificação daquele que é também conhecido como pulmão da região.

Educação nas aldeias

A comuna do Cuima tem 81 escolas e 500 professores, distribuídos em todos os sectores e aldeias. O chefe dos recursos humanos da secção comunal da educação, Silva Ekumbi, garantiu que mais de 15 mil alunos da iniciação ao segundo ciclo frequentam a escola e receberam gratuitamente os manuais escolares. Apesar de ter muitos professores, o administrador considera ainda o número insuficiente para descongestionar as salas de aulas.
A população local ganhou um complexo escolar para 1.200 alunos nos três turnos, que acolhe estudantes de todos os pontos do município da Caála. A comuna vai ganhar em breve um magistério primário, a escola Teófilo Duarte, fundada em 1953 e cujas obras de reabilitação começaram no passado mês de Setembro.
Nesta fase da reabilitação foram contemplados os dormitórios, salas de aulas, anfiteatro, capela e refeitório, As outras áreas são reabilitadas na segunda fase. O administrador do Cuima Faustino Kapiñgala, disse que a paralisação da escola do magistério primário Teófilo Duarte foi um desastre na formação de quadros nacionais. Por isso aplaude a  decisão do governo em reabilitar as instalações, uma vez que vai continuar a dar o seu contributo na formação de mais quadros, vindos dos diferentes pontos da província.
A comuna do Cuima vai beneficiar nos próximos tempos da energia eléctrica produzida na barragem hidroeléctrica do Gove. O administrador comunal, Faustino Kapiñgala, assegurou que já foi montado no Gove o posto de transformação que vai transportar a energia eléctrica para a comuna.
“Neste preciso momento estamos à espera de uma comissão da ENE que vai fazer o levantamento das condições para a montagem das linhas de transporte, que na nossa opinião devem acompanhar a estrada, para iluminar as aldeias localizadas ao longo da via”, afirmou o administrador.
A barragem do Gove localiza-se na comuna do Cuima e, de acordo com o administrador, com os índices de crescimento que a localidade está a registar com a construção de várias infra-estruturas sociais, justifica-se a instalação com urgência da rede eléctrica.
Muitas estruturas destruídas durante a guerra foram reconstruídas e melhoradas, mudando significativamente a imagem da vila e os bairros dos arredores.
A comuna tem quatro postos de saúde nos sectores e aldeias, além de um centro com 12 camas, inaugurado no ano passado, onde trabalham 36 enfermeiros. A comuna precisa de mais enfermeiros e pelo menos um médico, para dar resposta às necessidades das populações.

Tempo

Multimédia