Províncias

Alterações climáticas pesam na agricultura

Tatiana Marta | Huambo

As variações do clima na província do Huambo têm causado sérios problemas aos solos e criam embaraços à produção agrícola, devido à degradação das terras, advertiu ontem o director-geral do Centro de Ecologia Tropical e Alterações Climáticas (CETAC).

Uma das principais dificuldades que os camponeses da província do Huambo têm enfrentado está relacionada com a degradação dos solos
Fotografia: Dombele Bernardo

Joaquim Laureano referiu que as alterações climáticas causam a degradação de terras, das nascentes e de florestas onde existem espécies raras de animais, dai apelar as autoridades para tomarem medidas urgentes para preservar o ecossistema. “Estudos realizados, no ano passado, por especialistas do Centro de Ecologia Tropical e Alterações Climáticas indicam que a temperatura na província do Huambo registou, nos últimos 30 anos, um ligeiro aumento nos seus valores máximos e mínimos, em consequência da emissão de gases com efeito de estufa na atmosfera.”
O estudo apurou que a temperatura máxima da província do Huambo aumentou 0,3 graus centígrados, enquanto a mínima subiu 1,3 graus centígrados, causando impacto negativo forte ao ecossistema e prejuízos à produção agrícola, explicou Joaquim Laureano, que acrescentou: “É fundamental a criação de cursos de formação básica e técnico-profissional no domínio ambiental e defendeu o reforço da sensibilização junto da população sobre o ecossistema.” A construção do primeiro Centro de Pesquisa e Implementação de Políticas e Programas de Preservação do Ambiente, na cidade do Huambo, em 2012, como um dos principais ganhos do país no domínio ambiental, disse Joaquim Laureano. “O Centro de Ecologia Tropical e Alterações Climáticas foi construído em nove meses, no âmbito do Programa de Investimentos Públicos num valor de cinco milhões de dólares e destina-se ao aproveitamento das águas residuais, valorização dos solos degradados, constituição de equipas de investigação e apoio à elaboração e implementação de programas de preservação do ambiente.”

Equilíbrio ecológico

O vice-governador do Huambo para os Serviços Técnicos e Infra-estruturas, Calunga Quissanga, destacou a contribuição do Centro de Ecologia Tropical e Alterações Climáticas na promoção e desenvolvimento de acções para a manutenção do equilíbrio ecológico do país. “É necessário o apoio de outras instituições ligadas ao ambiente natural nos trabalhos de investigação, no quadro da aposta do Governo Provincial do Huambo em tornar a cidade numa “capital ecológica”.

Tempo

Multimédia