Províncias

Alunos abordam gravidez precoce

Tatiana Marta | Huambo

Alunos de diversas escolas do ensino primário do Huambo estão, desde o início desta semana, a receber esclarecimentos sobre as consequências e perigos da gravidez precoce.

A gravidez deve ser um acto consciente
Fotografia: Jornal de Angola

Alunos de diversas escolas do ensino primário do Huambo estão, desde o início desta semana, a receber esclarecimentos sobre as consequências e perigos da gravidez precoce.
Mário Pitra, director da Organização Não-Governamental com  com o seu nome, que realiza a actividade em parceria com a Cacel e Filhos e o Governo Provincial do Huambo, explicou que este ciclo de sessões de esclarecimento se destina a contribuir para uma diminuição dos casos de gravidezes indesejadas.
Mário Pitra acredita que a realização deste tipo de acções ajuda a alertar os jovens e adolescentes a perceberem melhor as consequências deste fenómeno e o quanto ele pode afectar o seu futuro.
“O problema está relacionado com a falta de informação, pois muitos adolescentes desconhecem o que pode representar para o seu futuro uma gravidez precoce e as suas consequências na vida adulta”, referiu Mário Pitra.
O director da ONG Mário Pitra disse que as consequências para uma jovem ou adolescente são de vária ordem, como psicológicas, sociais e físicas, e têm grande influência a nível da família.
“De forma geral, uma gravidez precoce desestabiliza a família, uma vez que tanto a jovem como os pais podem não estar preparados para receber uma notícia desta natureza”.
Mário Pitra afirma que, do ponto de vista psicológico, a jovem sente-se desenquadrada, tanto na escola como no seu círculo de amigos, e em geral acaba por interromper os estudos.
O médico Alberto Sachiteque considerou a gravidez na adolescência um fenómeno muito grave e afirmou que ela diminui a capacidade de crescimento destas pessoas.
“As suas hormonas perdem a capacidade de secreção e, em termos físicos, os estudos demonstram que há uma tendência elevada para o aborto durante esse período”, afirmou.
Estes abortos, prosseguiu o médico, podem ser espontâneos ou provocados, muitas vezes em condições precárias e em locais não apropriados, resultando em incapacidade de gravidezes futuras e até em mortes.
O especialista aconselha os joens e adolescentes a serem mais responsáveis nos seus relacionamentos amorosos, “para evitarem aquilo que não desejam”.

Tempo

Multimédia