Províncias

Aumentam casos de violência no lar

Juliana Domingos | Huambo

O Centro Provincial de Aconselhamento, da direcção da Família e Promoção da Mulher na província do Huambo, registou, no mês de Janeiro, a denúncia de 88 casos de violência doméstica, dos quais 57 resultarem em espancamentos de mulheres e 30 de homens, disse ao Jornal de Angola a directora do sector.

O Centro Provincial de Aconselhamento, da direcção da Família e Promoção da Mulher na província do Huambo, registou, no mês de Janeiro, a denúncia de 88 casos de violência doméstica, dos quais 57 resultarem em espancamentos de mulheres e 30 de homens, disse ao Jornal de Angola a directora do sector.
Ágata Vitumbo manifestou a sua preocupação quanto ao aumento de casos de fuga à paternidade, violação dos direitos da criança e doméstica na província, e esclareceu que os casos de violação doméstica resultaram no abandono do lar. Dos crimes cometidos, os mais graves são encaminhados para os órgãos de direito, mas o que mais preocupa as autoridades é a fuga à paternidade e a falta de prestação de alimentos aos filhos.
Ágata Vitumbo revelou que existe também tendência para um aumento dos casos de violação sexual de menores, o que considera uma flagrante violação à Constituição, que estabelece uma protecção eficiente à família e à própria criança.
“O papel da família é muito importante na educação e no desenvolvimento emocional da criança. Ao Estado cabe a responsabilidade de criar condições para que seja acudida em caso dos pais não terem condições para a sustentar”, sublinhou. Por isso, considera essencial que seja feito um trabalho de educação comunitária, no sentido de chamar a atenção das famílias sobre os cuidados a terem no processo de educação da criança.
A família, sempre que for necessário, deve solicitar a ajuda aos órgãos de direito, tanto para situações de âmbito da saúde mental, assim como de foro psico-social.

Tempo

Multimédia