Províncias

Aumentam casos de mordeduras de cães

Mário Clemente | Huambo

A chefe do departamento dos Serviços Veterinários do Huambo, Berta Teresa, disse que aumentaram os casos de mordeduras de cães nos últimos tempos na província, por causa do desleixo dos seus donos.

Fotografia: JAimagens

Berta Teresa afirmou que diariamente os serviços veterinários recebem, em média, 40 casos de mordeduras de cães e a situação está a preocupar as autoridades sanitárias da província, que exortam as populações a manterem os seus animais acorrentados durante o dia. Da maioria dos casos de mordeduras atendidos pelos Serviços Veterinários muitos são de cães suspeitos de terem raiva, pelo que se recomenda a vacina anti-rábica, para se evitar o contágio da doença.
“Nós só recebemos poucos casos nos fins-de-semana, na sexta-feira, visto que não trabalhamos aos sábados e domingos, mas nos primeiros dias da semana tem havido muitas enchentes de pessoas com mordeduras, sobretudo de cães”, realçou.
Nestes casos, disse, os Serviços Veterinários têm trabalhado em parceria com os centros e serviços municipais de Saúde no controlo de indivíduos mordidos, que são submetidos a análises clínicas e recebem a vacina anti-rábica. Antes disso, os donos dos animais são obrigados a declarar as circunstâncias em que aconteceram as mordeduras, se os seus animais têm ou não vacina e em caso de um animal suspeito os doentes são encaminhados para os serviços municipais de Saúde.
“Se for um animal suspeito nós prescrevemos a vacina anti-rábica humana e se for um animal normal, por uma questão de precaução do tétano, nós recomendamos a vacina anti-tetânica humana”, frisou. A província do Huambo tem laboratório de diagnóstico da raiva, para facilitar o serviço dos técnicos.

Tempo

Multimédia