Províncias

Caminhos da Educação em debate

Victória Quintas e Tatiana Marta| Huambo

O Governo da Província do Huambo promove, desde segunda-feira, um seminário metodológico sobre a revitalização dos serviços da educação, ciência e tecnologia.

A expansão da rede escolar e a melhoria da qualidade de ensino estão em debate
Fotografia: Victória Quintas| Huambo

O Governo da Província do Huambo promove, desde segunda-feira, um seminário metodológico sobre a revitalização dos serviços da educação, ciência e tecnologia.
A acção formativa, que visa traçar estratégias de implementação dos programas estruturantes do desenvolvimento da educação na província, é orientada por técnicos da Direcção Nacional de Recursos Humanos do Ministério da Educação.
O seminário, que hoje termina, analisa temas sobre a expansão da rede escolar, a melhoria da qualidade do ensino e a valorização dos professores.
Na sessão de abertura, o governador Faustino Muteka lembrou aos participantes que a província do Huambo sempre foi tida pelas estruturas do Executivo central como uma região de grandes tradições académicas. Segundo ele, do Huambo saíram muitos quadros qualificados que hoje "dão o seu melhor para o engrandecimento deste país. Por isso, precisamos regressar a esse patamar e, para tal, é fundamental revitalizar os serviços da educação na província".
Para Faustino Muteka os resultados que advirão desta acção formativa têm de estar em consonância com as estratégias do Governo, para a melhoria da qualidade de ensino na província do Huambo, e com o plano nacional estratégico da educação, estabelecido pelo Executivo, que traça políticas coerentes para responder às exigências actuais do sector da Educação.
"A revitalização do sector da Educação não deve ser polarizada nos gabinetes. Este projecto carece de uma abordagem colectiva de todos os profissionais da área, parceiros sociais, autoridade tradicional e de toda a sociedade civil, visando uma maior sustentabilidade dos planos preconizados", disse o governador.
O governo do Huambo defende que a educação, sendo um grande pilar para o desenvolvimento de qualquer sociedade, é uma aposta prioritária. Para tal, o executivo local aposta forte na superação e na formação de quadros como factor que, em primeira instância, vai promover o desenvolvimento do país.
Durante o seminário, estão a ser debatidos temas sobre o plano mestre de formação de professores, sugestões para a formação contínua, proposta de quadro programático de apoio à formação de professores do ensino primário e exemplos de estudos de caso sobre aprendizagem.
Fazem parte ainda da agenda os debates sobre a ficha e perfil do director de escola, ética e deontologia profissional, teoria sobre a avaliação de desempenho, importância das tecnologias de informação na educação das novas gerações e o novo sistema de avaliação de desempenho da educação.

Debatida situação da mulher rural 

A situação actual da mulher rural esteve em debate nos dias 12 e 13 na cidade do Huambo, em fórum organizado pela direcção provincial do Ministério da Família e Promoção da Mulher.
Durante o encontro, que decorreu no salão de reuniões do governo provincial, os participantes debateram temas como o associativismo, o papel da mulher rural, os valores culturais e a promoção da igualdade de género.
Divididos em quatro painéis, os delegados analisaram também o acesso da mulher rural aos serviços sociais básicos, a habitabilidade da mulher na produção agrícola, o casamento tradicional e as vias de comunicação, entre outros assuntos.          
A administradora municipal adjunta do Huambo, Deolinda Camarada, disse que a situação da mulher rural merece uma atenção especial, com vista à aceleração do desenvolvimento das mulheres ­naquelas comunidades. A responsável destacou como fundamental o papel da mulher rural, por ser ela a principal transmissora dos conhecimentos da agricultora tradicional e do modo de vida do campo.          
"A mulher rural é um elemento activo na sociedade angolana e parte central da família. É responsável por 80 por cento da produção agrícola e 90 por cento da comercialização dos seus produtos", frisou. Além disso, recordou que a mulher rural contribui activamente para o desenvolvimento das suas comunidades nas várias vertentes da vida social, desempenhando um grande papel na produção, gestão, utilização dos alimentos e dos recursos naturais.
No entanto, alertou a administradora, ela nem sempre recebe a atenção que seria desejável por parte das instituições de direito, sendo muitas vezes relegada para um plano secundário, apesar de possuir um grande capital para o desenvolvimento da sociedade.
A directora provincial da Família e Promoção da Mulher, Maria do Rosário Amadeu, reconheceu, por seu turno, que a mulher rural precisa de muita atenção e de melhorar o seu estatuto social, para diminuir os índices de analfabetismo e de pobreza que ainda graça nas comunidades do campo. Lamentou, ainda, a persistência da violência doméstica, um grave problema nas comunidades rurais.                       

Tempo

Multimédia