Províncias

Camponeses do Usoke recebem bens agrícolas

Adolfo Mundombe| Usoke

Os camponeses e agricultores da comuna do Usoke, no município do Londuimbali, receberam sexta-feira cerca de 30 toneladas de fertilizantes e instrumentos de trabalho para garantir uma boa campanha agrícola.

Camponeses da região recebem vários apoios para poderem aumentar a produção no âmbito do programa de combate à pobreza
Fotografia: Jornal de Angola

Os camponeses e agricultores da comuna do Usoke, no município do Londuimbali, receberam sexta-feira cerca de 30 toneladas de fertilizantes e instrumentos de trabalho para garantir uma boa campanha agrícola.
O administrador da comuna, Manuel Tibúrcio, afirmou que a distribuição de adubos e outros inputs agrícolas visam criar as condições necessárias para o aumento da produção agrícola e contribuir para o combate à pobreza.
As associações de camponeses, incluindo cooperativas, agricultores e fazendeiros, receberam adubos e gado de tracção, de forma gradual, cujo objectivo é o aumento da dieta alimentar das populações da região.
Manuel Tibúrcio disse que existe um programa de correcção dos solos, a ser implementado nos municípios do Londuimbali e do Bailundo, para dar mais vida às plantações e cultivos. As autoridades comunais controlam 18 associações de camponeses.
A comuna é grande produtora de batata, milho e feijão e, apesar da seca que assolou a província, os camponeses do Usoke tiveram uma colheita aceitável de diversos produtos. Na presente campanha agrícola prevê-se o cultivo de quatro mil hectares de terra. Em Janeiro próximo, revelou o responsável, deve arrancar a construção de 100 casas sociais, mais centros e postos de saúde, residência do administrador, um posto policial e escolas.
O administrador comunal disse que neste momento está a ser erguido um pavilhão multiuso e a reabilitar-se o sistema de captação e tratamento de água.
No mesmo projecto enquadra-se também a reabilitação das vias secundárias e terciárias e as pontes que ligam as aldeias da Ombala Tchakuma, Morro do Moco e Kanjonde, segundo Manuel Tibúrcio.

Crédito rural


O administrador assegurou que o crédito do comércio rural, que beneficiou os pequenos produtores e comerciantes da comuna do Usoke, está a corresponder às necessidades dos moradores daquela área, que antes dependiam quase da província de Benguela, tendo em conta a sua proximidade àquela jurisdição.
“Uma das vantagens que o comércio trouxe é a facilidade dos comerciantes da região escoarem os produtos agrícolas do campo para a cidade a preços aceitáveis”, esclareceu o administrador comunal do Usoke.

Tempo

Multimédia