Províncias

Catata precisa de escolas

Tatiana Marta | Catata

O administrador da comuna da Catata, Simão Tchinduva, disse ao Jornal de Angola que a comunidade precisa de mais escolas, transportes e casas para professores.

Projecto visa combater o analfabetismo
Fotografia: Jornal de Angola

O administrador da comuna da Catata, Simão Tchinduva, disse ao Jornal de Angola que a comunidade precisa de mais escolas, transportes e casas para professores.
Simão Tchinduva disse que Catata tem apenas três escolas, número insuficiente para atender todos os alunos, o que faz com que “muitos recebam aulas por baixo das árvores e nas capelinhas”.
O administrador frisou que os professores enviados pelo governo da província se debatem também com falta de alojamento. São no total 278, todos carecem de casas, situação que está a preocupar o executivo local, disse.
“O número de crianças fora do sistema normal de ensino não é muito elevado, os professores estão a chegar a todos os sectores da comuna e a meta é diminuir o índice de analfabetismo nas comunidade”.
Dentro dos projectos da administração local, Simão Tchinduva referiu que pretende reforçar o sector da Educação, recreação para os jovens e o desporto.
O administrador informou que a comuna tem três postos de saúde, um na sede e dois no sector do Gimbo, e precisa de um centro com mais especialidades e capacidade para internamentos.
Simão Tchinduva disse que na comuna não há falta de técnicos de Saúde e “o número de enfermeiros é suficiente”.
Os problemas preocupantes, acrescentou, são a falta de medicamentos essenciais nos três sectores, ambulância para a evacuação de doentes graves e casas para os enfermeiros. “O centro materno infantil tem boas condições, algumas mulheres grávidas são transportadas em motorizadas por falta de ambulâncias e é um grande risco porque os bebés podem nascer com vários problemas, por causa das quedas em motorizadas”, disse.
Simão Tchinduva disse que a Administração pretende também estender a rede sanitária a todas as povoações da comuna, para reduzir as longas distâncias que a população percorre diariamente à procura dos serviços de saúde.

Tempo

Multimédia