Províncias

Catchiungo amplia rede sanitária e escolar

Adolfo Mundombe | Cacthiungo

O administrador adjunto do município do Catchiungo, no Huambo, afirmou que a Administração local tem como grande objectivo para este ano estender a rede sanitária e escolar a todas as comunas e aldeias.

Em cada ano que passa aumenta o número de crianças a aprender a ler e a escrever sem necessidade de percorrer longas distâncias
Fotografia: Jornal de Angola

Francisco Martins considera que as infra-estruturas existentes têm de ser melhoradas, para atender à procura, que aumenta de dia para dia, sobretudo nas zonas mais distantes da vila.
Além da rede sanitária e escolar, acrescentou, as autoridades municipais pretendem ainda aumentar a rede de distribuição de água potável e de iluminação, uma vez que muitos munícipes continuam sem água canalizada.
“Estamos a fazer tudo para que estes projectos sejam concluídos dentro em breve e a população deixe de consumir água imprópria”, garantiu o administrador.
A vila do Catchiungo tem energia eléctrica fornecida por grupos geradores com capacidade de 1.250 kvas, que funcionam entre as 18h00 e a meia-noite, beneficiando mais de cem mil habitantes. O abastecimento do combustível está a cargo da Administração Municipal, que assegura a assistência dos geradores de todas as comunas.
A circulação rodoviária não constitui problema para quem passa na vila do município, em direcção a qualquer ponto do Leste e litoral. Foram totalmente reabilitadas as vias que ligam Benguela ao Huambo, Bié, Moxico e Kuando-Kubango, garantiu. A circulação ficou também facilitada para as populações, produtores e comerciantes que pretendam evacuar os seus produtos do campo para os principais mercados das cidades, e foram traçados planos no sentido de melhorar algumas vias terciárias para a circulação interna.

Mercados rurais

Francisco Martins garantiu que a sua equipa trabalha também no projecto de construção dos mercados rurais nas aldeias, com a utilização de material local, a pedido dos próprios cidadãos, que preferem estabelecimentos em madeira.
Foram construídos mercados rurais nas áreas do Alto Chiumbo, Chiumbo, na sede do município, na aldeia da Chianga, Sahemba e vão ser erguidos outros em todas as áreas de maior concentração populacional e de grande produção agrícola, para fomentar o comércio rural.
 “Vamos unir esforços para que, em conjunto, possamos resolver os problemas que nos afligem. É preciso um pouco mais de paciência, as coisas vão sendo resolvidas cada uma a seu tempo”, tranquilizou.

Sectores essenciais

Com o aumento da população, alguns serviços tornaram-se mais apertados, como é o caso dos de Saúde e Educação, que estão a merecer uma atenção particular por parte da Administração Municipal. Francisco Martins considera ser necessário reforçar o quadro de técnicos de enfermagem, médicos e auxiliares, para dar resposta à procura e continuar a melhorar os serviços e atendimento dos doentes.
O município tem apenas três médicos, dos quais uma médica de nacionalidade cubana que assiste o hospital de referência no seu todo, outro que responde pelo projecto anti-larval e a terceira que responde pela componente clínica e administrava. A falta de auxiliares e técnicos de base também está a criar cada vez mais dificuldades na evacuação de pacientes com doenças complicadas para o Hospital Central do Huambo, segundo o administrador Francisco Martins. No município de Catchiungo está também a ser desenvolvido o projecto anti-lavral, para reduzir os índices de malária.
O município tem 16 unidades sanitárias, que englobam um hospital municipal, com capacidade para 74 camas, três centros de saúde na sede e postos médicos nas comunas do Chiumbo, Dondi, Sahemba, Cachilengue, Nondolo, Upunda e Chilengue. “O que mais nos preocupa é o transporte para evacuar doentes e precisamos que, em cada unidade, haja uma viatura para suprir as necessidades”, acrescentou.
Está também em curso a montagem de placas solares e construção de reservatórios de água em todos os centros e postos de saúde do município de Catchiungo.

Tempo

Multimédia