Províncias

Chuva cria transtornos a habitantes do Huambo

Marcelino Dumbo | Huambo

A grande quantidade de água provocada pelas intensas chuvas que se abatem sobre a província está a criar transtornos aos habitantes da cidade do Huambo, com a deterioração da rede de esgotos, reabertura das fossas sépticas e valas de drenagem.

O administrador adjunto do município do Huambo, João Figueiredo, disse na quarta-feira que as autoridades locais estão a fazer os possíveis para minimizar os estragos provocados pelas chuvas, com intervenções pontuais nas zonas mais críticas. As obras já começaram e, nesta altura, estão a ser reabilitadas as zonas danificadas nos largos do Katoto e Wasandjuka, enquanto se identificam outras situações nas diversas zonas da cidade.
A Rua 5 de Outubro, avenida principal da cidade, é uma das mais afectadas, nas imediações do prédio da FAPA.
A administração, em parceria com algumas empresas privadas, pretende, nos próximos dias, reabilitar as ruas secundárias e de acesso aos principais mercados e locais de maior concentração populacional. João Figueiredo reafirmou que existem meios humanos e técnicos para a intervenção nos locais identificados e noutros ainda por identificar. Em algumas zonas já foi feito o levantamento necessário para a prossecução das obras.
Além do desabamento de diversas casas, roturas das valas de drenagem, inundações nas redes de esgotos e a dispersão de resíduos sólidos e areia nos esgotos e nas fossas sépticas dos edifícios, as chuvas estão também a causar estragos nas ruas da cidade do Huambo e arredores.
Munícipes abordados pelo Jornal de Angola afirmaram que nesta época aumenta também a insegurança de muitas pessoas que vivem nas zonas consideradas de risco.
Catarina Nhamele, moradora do bairro de Aviação, sublinhou que em algumas avenidas da cidade o tapete asfáltico está a ser arrastado pelas águas das chuvas e as fossas sépticas dos edifícios e residências estão a desabar e a provocar incómodo aos moradores, devido ao mau cheiro.

Tempo

Multimédia