Províncias

Chuvas deixam rasto de destruição

Justino Vitorino| Bongo

Duas escolas com seis salas cada foram destruídas pelas chuvas, no sector do Bongo, município do Longonjo. O administrador comunal adjunto do Lépi, Aurélio Luciano, disse que em consequência das chuvas acompanhadas por fortes ventos, as 12 salas ficaram sem telhado deixando 300 alunos sem aulas.

Chuvas torrenciais destruíram dezenas de casas e privaram de energia eléctrica o centro materno infantil da vila do Longonjo
Fotografia: Benjamin Cândido

Duas escolas com seis salas cada foram destruídas pelas chuvas, no sector do Bongo, município do Longonjo. O administrador comunal adjunto do Lépi, Aurélio Luciano, disse que em consequência das chuvas acompanhadas por fortes ventos, as 12 salas ficaram sem telhado deixando 300 alunos sem aulas.
A chuva destruiu também 80 casas e privou de energia eléctrica o centro materno infantil da vila do Longonjo. Aurélio Luciano disse que se não for feita uma intervenção urgente, o período de avaliação dos alunos pode ficar comprometido. Pediu às autoridades tradicionais para procederem às avaliações dos prejuízos provocados pela chuva no município do Longonjo.
“As autoridades tradicionais devem fornecer dados sobre os prejuízos humanos e materiais causados pelas chuvas, para que as informações não cheguem deturpadas às entidades superiores da província e ser dispensado o apoio necessário”, disse.
O comandante provincial dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros no Huambo, João Ricardo, anunciou que pelo menos 38 pessoas morreram e outras ficaram feridas em consequência das descargas eléctricas provocadas pelas fortes chuvas que caíram entre Setembro e princípio de Outubro. João Ricardo disse que os municípios mais afectados foram os do Ukuma, Bailundo e as comunas de Lunje e Luvemba.
No mesmo período, as chuvas causaram a destruição de 166 casas e desalojaram 996 pessoas. Por negligência, fogo posto, curto-circuito e fugas de gás, a província do Huambo registou incêndios que causaram prejuízos avaliados em mais de 1,2 milhões de kwanzas, segundo o responsável dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros no Huambo. João Ricardo disse que a sua instituição vai intensificar o trabalho de sensibilização das comunidades sobre as medidas de prevenção e combate aos incêndios, paralelamente à formação de brigadas especializadas sobre a matéria. Fortes chuvas assolam o Planalto Central.

Tempo

Multimédia