Províncias

Combate à pobreza abordado em seminário

Justino Vitorino | Huambo

Questões ligadas à execução dos programas municipais integrados de desenvolvimento rural e combate à pobreza estão a ser abordadas em seminário, desde segunda-feira, na província do Huambo.

Questões ligadas à execução dos programas municipais integrados de desenvolvimento rural e combate à pobreza estão a ser abordadas em seminário, desde segunda-feira, na província do Huambo.
O seminário, que decorre sob o lema “Combate à pobreza, um compromisso do Governo Angolano”, tem como objectivo delinear as metas para a melhoria da qualidade de vida do povo angolano, em particular da região do Planalto Central.
A acção de formação, que de princípio termina hoje, é dirigida aos administradores municipais, seus adjuntos, chefes das diferentes repartições municipais e vice-governadores para as áreas política, social e económica.
Os participantes estão a abordar e discutir, em vários painéis, temas ligados ao combate à pobreza, desenvolvimento rural e comércio rural, numa perspectiva integrada em Angola, como parte dos programas municipais integrados de desenvolvimento rural e combate à pobreza, comercialização da produção agro-pecuária e armazenamento de excedentes, programa “Água para todos”, estratégia para segurança alimentar e nutricional e municipalização dos serviços de saúde.
Na sessão de abertura do encontro provincial sobre a execução dos programas municipais integrados de desenvolvimento e combate à pobreza, o governador do Huambo, Fernando Faustino Muteka, disse que o Governo provincial pretende dar continuidade à redução da pobreza, em particular no meio rural, promovendo o acesso aos alimentos de qualidade e reduzir fundamentalmente a dependência alimentar externa, com vista a fomentar as pequenas empresas agrícolas nas comunidades.
O governador assegurou que a reforma administrativa em curso, mormente a descentralização e independência financeira, podem contribuir para a elevação da qualidade do serviço público e a eficácia do Estado junto das comunidades, sobretudo nas zonas rurais.  
 “Erradicar a pobreza é muito difícil. Devo lembrar que nenhum país do mundo conseguiu acabar totalmente com este fenómeno”, afirmou Faustino Muteka, acrescentando que o Executivo vai criar mecanismos para minimizar os elevados índices de miséria existentes no país, em particular na região do Planalto Central, exigindo-se para tal uma continuidade e intensificação de acções bem concebidas, em termos transversais e intersectoriais.
Faustino Muteka assegurou que, para conseguir atingir tal desiderato, é necessária a participação de segmentos representativos da sociedade, desde líderes municipais, religiosos e comunitários, empresários, intelectuais e organizações não-governamentais. 

Tempo

Multimédia