Províncias

Comboio volta a apitar no Huambo

Vitória Quintas | Huambo

O vice-ministro dos Transportes para a área de infra-estruturas ferroviárias, José Kuvingua, anunciou ontem que até Julho o comboio volta a apitar na província do Huambo.

Responsáveis do Ministério dos Transportes foram verificar o andamento das obras do Caminho-de-Ferro de Benguela
Fotografia: Vitória Quintas | Huambo

O vice-ministro dos Transportes para a área de infra-estruturas ferroviárias, José Kuvingua, anunciou ontem que até Julho o comboio volta a apitar na província do Huambo.
O governante deu esta boa nova durante a visita de constatação que efectuou às obras de reabilitação do Caminho-de-Ferro de Benguela que decorrem em território do Huambo, assegurando que estão ultrapassados os condicionalismos financeiros com o empreiteiro, que impediram o curso normal da empreitada.
José Kuvingua garantiu que com a linha-férrea modernizada, o Executivo tem em curso o plano de importação de equipamentos, quer de locomotivas quer de carruagens e vagões. Ainda assim, sustentou que para a fase inicial se fez a aquisição rápida de locomotivas para proporcionar aos cidadãos uma “viagem com um certo conforto”, entre as províncias de Benguela-Huambo-Bié e Moxico. “Temos mais de 90 por cento da obra realizada. Há mais de um ano que temos a linha assentada até ao Huambo; os serviços de ataque pesado foram feitos a uma distância de 30 quilómetros do Huambo e em breve chegará uma máquina que vai concluir o trabalho de compactação da linha”, explicou o vice-ministro.
José Kuvingua adiantou que a seguir à compactação da linha, serão feitos alguns trabalhos de finalização das estações, para estarem criadas as condições de circulação do comboio, que inicialmente fará o transporte de mercadorias e só posteriormente passará para o serviço de transporte de passageiros.
Referiu ainda que as obras das estações de comboio vão de encontro ao ritmo que se pretendeu para a reabilitação de toda a obra, para quando se iniciar a circulação do comboio, estarem prontas. “Depois do Huambo, as obras seguem o projecto de reabilitação das infra-estruturas rodoviárias que vão até 2012. Por isso, tomou-se a decisão de se ter em circulação os troços à medida que forem sendo concluídos.
Temos uma linha muito extensa. Vamos pondo em circulação os troços reabilitados para compactar a linha e detectar possíveis defeitos e se existirem corrigi-los”.
Durante a sua estada no Huambo, José Kuvingua visitou as obras da futura estação central do Huambo e a estação da comuna do Lepi, município do Longonjo, cujas obras estarão concluídas em Junho.
O vice-ministro deslocou-se ainda à pedreira da Calenga, Município da Caála, que produz diariamente 300 metros cúbicos de britas, e ao estaleiro de construção de travessas para abras do CFB, onde por dia são produzidos 2.500 unidades. As obras estão a cargo da empreiteira chinesa CR 20.  

Tempo

Multimédia