Províncias

Comuna do Humbe tem uma nova escola

Dionísio David |Humbe

A sede comunal do Humbe, uma das cinco circunscrições do município de Ombadja, na província do Cunene, vai passar a dispor de uma escola com 12 salas, com capacidade para albergar quatro mil alunos, do I e II ciclo do ensino primário.

Cerca de quatro mil alunos do primeiro e segundos ciclos do ensino primário vão passar a estudar em melhores condições
Fotografia: Jornal de Angola

A sede comunal do Humbe, uma das cinco circunscrições do município de Ombadja, na província do Cunene, vai passar a dispor de uma escola com 12 salas, com capacidade para albergar quatro mil alunos, do I e II ciclo do ensino primário.
O administrador municipal de Ombadja, Domingos Taby, que efectuou uma visita à referida localidade durante a semana finda, referiu que as obras de construção da escola estão praticamente concluídas e estiveram sob a responsabilidade da sua Administração
Domingos Taby adiantou que a parte da estrutura física do edifício se encontra toda pronta, faltando apenas apetrechar as salas com quadros pretos, numerá-las e estabelecer uma área de recreio, estando a sua inauguração prevista para Julho, por ocasião do dia da província.A par das 12 salas, o complexo escolar vai dispor de uma biblioteca anexa, uma sala de leitura, um gabinete para o director da escola, uma cafetaria e ainda um extenso recinto para recreio.
Este ano, a comuna do Humbe tem 48 mil alunos matriculados nos níveis primários e secundário de ensino, estando a rede escolar implantada em todas as suas povoações. Ainda na sede do Humbe, que fica a 10 quilómetros do Xangongo, cidade capital de Ombadja, está em curso a construção de quatro residências do tipo T3 e T4 para professores e enfermeiros, projecto igualmente inserido no programa de intervenção municipal e em fase adiantada. Os serviços de saúde também funcionam com a regularidade que se impõe, sendo a assistência médica e medicamentosa aos doentes garantida por nove profissionais da área.

Sector da Saúde

Se na sede da comuna os serviços sociais conheceram melhorias significativas, o mesmo já não se pode dizer da localidade de Dimba-Tholo, a 12 quilómetros de distância, onde os serviços de educação e de saúde enfrentam dificuldades de toda a ordem, desde a ausência de professores até à falta de assistência médica e medicamentosa às populações. Segundo o responsável local, Natjlamba Munelundimba, os seis professores que ali estão colocados, na única escola existente, aparecem frequentemente embriagados no local de serviço e quase que não conseguem dar aulas.
 Por isso, foi já solicitado às entidades de direito que sejam enviados mais professores e enfermeiros para poderem mudar o quadro.
A sede local encontra-se neste momento isolada do resto da comuna, há quase um mês, devido às cheias que cortam as vias de acesso, em consequência das chuvas.
Na semana passada, o governador do Cunene, António Didalelwa, fez uma visita de avaliação à localidade para apurar o grau das necessidades da população, tendo recebido da parte desta um conjunto de preocupações, entre as quais a alimentação, medicamentos, mosquiteiros e chapas de zinco.Os danos causadas pelas inundações são avultados, com casas abandonadas, lavras submersas e muitas famílias desalojadas a necessitar de apoios. A povoação de Dimba-Tholo conta com uma escola com três salas para nove mil alunos e um centro de saúde pública.
Devido à situação reinante, as aulas estão paralisadas quase há um mês, a última campanha de vacinação humana foi adiada e a campanha de vacinação do gado suspensa, tudo por causa do mau estado das vias de acesso.
De recordar que só na comuna do Humbe mais de 290 famílias foram afectadas e desalojadas, havendo um igual número de lavras inundadas.

Tempo

Multimédia