Províncias

Desporto com muitas vitórias e poucos atletas

João Constantino|Huambo

O parque desportivo do Huambo foi totalmente destruído pela guerra. Só ficaram de pé as instalações do Ferroviário mas estão degradadas porque ao longo dos anos nunca tiveram obras de manutenção.

Os clubes do Huambo têm a responsabilidade de restaurar as infra-estruturas desportivas
Fotografia: Rogério Tuti

O parque desportivo do Huambo foi totalmente destruído pela guerra. Só ficaram de pé as instalações do Ferroviário mas estão degradadas porque ao longo dos anos nunca tiveram obras de manutenção.
Algumas instalações desportivas não escaparam à destruição total, como as do Benfica do Huambo e Mambroa, Sporting, Petro do Huambo e Recreativo da Caála. A guerra não poupou campos de futebol, ginásios, piscinas e pavilhões gimnodesportivas.
Hoje, o quadro é totalmente diferente. O Recreativo da Caála está na alta-roda do futebol nacional e o seu complexo está a ser totalmente remodelado. Segundo o presidente da direcção, Horácio Mosquito, para além do campo de futebol o clube está a remodelar o pavilhão gimnodesportivo, a sala de cinema, restaurantes e bares. O Executivo, através do Governo Provincial, disponibilizou fundos para as obras.
O “velhinho” Estádio das Cacilhas, do Benfica Huambo e Mambroa, começa a ser reabilitado no próximo mês de Junho, num investimento do Governo Provincial superior sete milhões de dólares. As obras do pavilhão gimnodesportivo estão em acabamento. O presidente do clube, Henrique Barbosa, afirmou que o custo total das obras é de 23 milhões de dólares.
“O projecto final inclui uma área comercial, agências bancárias, parque de estacionamento e outros serviços. Este é um projecto da Mambroa Sociedade Anónima Desportiva”, disse o dirigente do clube mais popular da província.  
O Petro do Huambo, com fundos próprios, reabilitou a área social do clube e já está a funcionar o restaurante. O pavilhão gimnodesportivo do Petro do Huambo foi totalmente remodelado para o Afrobasket’2008. O clube tem em carteira outros projectos, como construção do novo estádio de Futebol, que espera financiamentos. É uma obra ambiciosa que uma vez concluída dá ao Huambo um estádio moderno de nível mundial.

Novos pavilhões

Para melhorar a prática do desporto e alcançar melhores rendimentos nas competições internas e internacionais, o Executivo construiu estruturas que vieram mudar o quadro desportivo da província.
A província tem dois pavilhões desportivos modernos com capacidade para três mil espectadores: o Pavilhão Osvaldo Serra Van-Duném e o Pavilhão Dois da Baixa. Os dois pavilhões permitiram desenvolver a prática do desporto na província. Graças aos novos equipamentos desportivos ressurgiu o basquetebol, futebol de salão, andebol, voleibol e outras modalidades.  O Sporting deu muitas alegrias à população da cidade do Huambo, movimentou milhares de desportistas e adeptos. O Sporitng do Huambo é um dos clubes que tem instalações completas, incluindo piscina de alta competição e com pranchas para saltos.
Hoje, do complexo desportivo que foi o orgulho da cidade do Huambo apenas restam escombros.
A sede social, onde funcionava o famoso Cinema 404, restaurante e bar, apenas ficaram ruínas onde ainda hoje vivem deslocados. Do campo de futebol, o primeiro que foi relvado no país, restam balizas desconjuntadas e a bancada de betão. Dos pavilhões desportivos estão no ar apenas os pilares. A piscina, os balneários e áreas de lazer, que em tempos foram lugares privilegiados da elite do planalto central, ficaram grandes buracos cheios de água estagnada e capim.
O antigo atleta e agora dirigente do clube, Jorge Mangrinha, disse à nossa reportagem que antes da independência, o Ferroviário e o Sporting do Huambo tinham as melhores instalações desportivas de Angola.
As modalidades que mais se praticam na província do Huambo e têm dado muitas alegrias aos adeptos do desporto, devido aos resultados alcançados na arena desportiva nacional e internacional, são o futebol, basquetebol e atletismo.
No futebol, o destaque vai para o Clube Recreativo da Caála, que representa a província e o pais na fase de preliminar de acesso à  Liga dos Clubes Campeões Africanos, depois de ter conseguido um segundo lugar no Girabola.
No passados  as equipas do Mambroa e do Petro do Huambo mobilizavam os sócios e adeptos dentro e fora da província. Atletas como Mulissi, Mona, Nelito Constantino, Maria, Picas e outros rubricaram as suas assinaturas no futebol nacional e internacional.

Tempo

Multimédia