Províncias

Devolvida a esperança a toxicodependentes

Victória Quintas | Cachiungo

A Fazenda da Esperança, localizada na comuna da Vavayela, município de Cachiungo, e afecta à Igreja Católica, recuperou, desde Outubro de 2011, um total de 79 jovens toxicodependentes de diversos pontos do país, tendo-os reinserido na sociedade.

Dezenas de jovens toxicodependentes de diversos pontos do país estão a ser recuperados em Cachiungo e reinseridos na sociedade
Fotografia: Eduardo Pedro

O director da fazenda, Laurence Miura, disse ontem, em Cachiungo, que a instituição vai continuar a lutar para tirar do mundo das drogas muitos jovens, uma vez que alguns destes não dispõem da ajuda da família para sair da dependência. Laurence Miura salientou que, apesar de a maioria dos assistidos serem jovens do sexo masculino, a Fazenda Esperança vai abrir uma área feminina, com o objectivo de acolher raparigas toxicodependentes e os seus filhos.
Neste momento, já está definido o local para a construção do centro feminino, em meados do próximo ano, e o estabelecimento vai ter capacidade para acolher entre 20 e 30 raparigas e os seus filhos.
Laurence Miura esclareceu que o período de recuperação dos toxicodependentes, a metodologia e o formato é o mesmo usado para os homens, mas salientou que vai dar-se uma atenção especial às raparigas com filhos.
A Fazenda da Esperança alberga 73 jovens, dos quais 57 em recuperação. Três foram reabilitados mas regressaram após recaídas, enquanto igual número presta serviços voluntários. O período de recuperação é de um ano, durante o qual a espiritualidade, convívio e o trabalho constituem a metodologia do processo, explicou Laurence Miura, que salientou que os familiares dos jovens internados contribuem mensalmente com 20 mil kwanzas e, em contrapartida, recebem uma cesta com produtos resultantes do trabalho dos jovens, com realce para o pão e doces.
Laurence Miura explicou que as despesas de manutenção do centro são elevadas, por isso apelou ao apoio de outras instituições, a exemplo do Governo Provincial do Huambo e o Comando da Região Militar Centro das Forças Armadas Angolanas (FAA). O director da  Fazenda da Esperança disse que a escassez de espaço para albergar mais jovens é um problema, uma vez que a residência foi concebida para  20 jovens.
Neste momento, cerca de 160 de pedidos para acolhimento de toxicodependentes estão em lista de espera. “Por falta de espaço não  podemos receber mais jovens”, lamentou Laurence Miura, que indicou que já está em construção a sede definitiva da Fazenda da Esperança, que vai inicialmente aumentar a capacidade da instituição para 85 jovens por ano. O período pós-recuperação é um pouco complexo, já que o jovem regressa ao seu ambiente normal e a vida fora da fazenda oferece muitas opções. Por isso, Laurence Miura disse que foi criado o Grupo Esperança Viva (GEV), que apoia aqueles que terminam o período de recuperação e tem a responsabilidade de reinseri-los na sociedade.
“A sociedade também tem um papel importante nesse processo, principalmente nos casos em que o jovem estudava ou trabalhava. Aconselhamos que este retome as suas actividades”, disse Lawrence Miura, que frisou a necessidade do seguimento profissionalizante dos jovens reabilitados.

Tempo

Multimédia