Províncias

Diagnosticados milhares de casos de malnutrição

Justino Vitorino | Huambo

Um total 1.195 casos de malnutrição foram diagnosticados entre os meses de Janeiro e Setembro deste ano, no Huambo, em crianças dos zero aos cinco anos, revelou, na quinta-feira, a supervisora provincial do Programa de Nutrição.

Adelaide Carla informou que dos casos registados durante este período, 1.123 foram atendidos e curados e 98 resultaram em óbitos, dado a situação de gravidade em se encontravam.
Adelaide Carla caracteriza de grave o quadro actual e disse que para atenuar a situação o Programa de Nutrição está a formar quadros de vigilância nutricional, uma vez que o número de crianças que sofrem da doença tende a aumentar.
A supervisora do Programa de Nutrição reconheceu que muitas mãe contribuem para este mal, porque os seus bebés deixam de amamentar cedo, tendo, para tal, solicitado que se dê, pelo menos, mais tempo, ou seja, até aos dois anos.
“O aleitamento é exclusivo até aos seis meses e só depois é que as mães devem dar outros alimentos ao bebé que, a princípio, deve ser desmamado com dois anos de idade, evitando, deste modo, casos de doenças diarreicas agudas, malária e respiratórias agudas”, esclareceu.
Segundo ela, o desmame precoce e a má alimentação dos menores, por negligência ou ignorância dos pais e encarregados de educação, estão na base da má nutrição, cujos casos são provenientes, maioritariamente, das zonas rurais.
Na Província do Huambo, cada município conta com um centro especial de tratamento da  malnutrição, além de um outro ambulatório montado especialmente para descongestionar as 13 unidades de terapia especial e atender casos ligeiros.
Adelaide Carla mostrou-se preocupada com a demora da entrada em funcionamento destes centros por falta de suprimentos nutricionais, mas acredita que tão-logo as condições melhorem podem ajudar a diminuir os   casos que se registam na província.
Um total de dez técnicos foram capacitados, este ano, na província do Huambo, em diagnóstico e tratamento da malnutrição severa.

Tempo

Multimédia