Províncias

Direcção da Educação do Huambo apela à calma

A Direcção provincial da Educação, Ciência e Tecnologia do Huambo aconselhou na terça-feira os professores sem actualização de categoria salarial a terem calma e maturidade profissional, evitando prejuízos no seu desempenho nos estabelecimentos de ensino.

Professores continuam a leccionar mesmo sem terem a categoria actualizada
Fotografia: Jornal de Angola

A Direcção provincial da Educação, Ciência e Tecnologia do Huambo aconselhou na terça-feira os professores sem actualização de categoria salarial a terem calma e maturidade profissional, evitando prejuízos no seu desempenho nos estabelecimentos de ensino.
Numa nota de imprensa enviada à Angop lê-se que existe na província grande número de professores com salários ainda não actualizados, situação que está a provocar descontentamento no seio da classe.
Apesar do interregno e embaraço que o processo de actualização de categorias conheceu, já se encontra em curso o lançamento dos dados para as folhas de salário. “A prova disso é que boa parte de professores já foram actualizados em Novembro”, acrescenta o documento.
Refere ainda que, dada a complexidade do processo e pelo facto de o mesmo estar a decorrer a nível nacional, a inserção vai fazer-se de modo faseado até ficar concluído.
Terminada a inserção dos funcionários já actualizados será aberto um período para reclamações, tanto para os professores mal actualizados    como para aqueles que, apesar de terem melhorado a sua qualificação académica e profissional, não beneficiaram desse direito. A Direcção provincial da Educação reitera a garantia de que o direito à actualização da categoria salarial conforme o perfil de cada um é um beneficio de todos e, por isso, a morosidade na sua efectivação não deve prejudicar o bom desempenho nos estabelecimentos de ensino.

Prioridade à formação

O novo director da Educação Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia do Kwanza-Norte mencionou, na terça-feira, em Ndalatando, como prioridades a formação contínua dos professores, superação dos quadros e maior fiscalização da actividade docente.
Velhinho de Barros assume a direcção do sector da Educação em substituição de Manuel Vicente, que exerceu funções desde 2007.   
Velhinho de Barros afirmou, à Angop, que vai dar continuidade ao trabalho do antecessor, sobretudo o relacionado com a reforma educativa, que vai ser estendida até à sexta classe.
A exiguidade de salas de aula, principalmente do ensino primário, é o maior problema do sector na província, disse, prometendo que, com a ajuda dos quadros, vai procurar resolvê-lo.

Tempo

Multimédia