Províncias

Docentes "não reconvertidos" ameaçam paralisar actividades

João Constantino | Huambo

Os professores “não reconvertidos” na província do Huambo ameaçam suspender as suas actividades, a qualquer momento. A província tem 2.900 docentes do I e II ciclo à espera de serem integrados nas novas carreiras.

Os professores “não reconvertidos” na província do Huambo ameaçam suspender as suas actividades, a qualquer momento. A província tem 2.900 docentes do I e II ciclo à espera de serem integrados nas novas carreiras.
 A paralisação pode acontecer nos próximos dias, caso a Direcção Provincial da Educação, não clarifique o processo que decorre no ministério da tutela. Falando ao Jornal de Angola, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação, Cultura, Desportos e Comunicação Social do Huambo, Adriano dos Santos, disse ter conhecimento da intenção dos professores em parar as suas actividades, mas apelou à calma, porque estão a ser dados passos no sentido de resolver o problema.
“É justa a reivindicação dos meus colegas que se encontram nesta situação, mas como presidente do sindicato aconselhamos calma e prudência, já que o sindicato tem acompanhado o processo e tudo está a ser feito para resolver o problema da reconversão da carreira”, disse.
Na semana passada, membros do sindicato tiveram em Luanda um encontro com o director Nacional da Educação, Guilherme Tuluca, que assegurou que o processo está a ter o devido tratamento e a direcção provincial está apenas a aguardar um parecer positivo do Ministério das Finanças, que tem a obrigação de realizar os pagamentos, já que os 2.900 professores da província que se encontram em tais condições têm, junto do ministério, as suas carreiras actualizadas.
 Adriano dos Santos prometeu aos filiados interpelar o director Nacional dos Recursos Humanos do Ministério da Educação para saber os passos que foram dados até à data.

Tempo

Multimédia