Províncias

Empresa aposta na informática e no desenvolvimento rural

O Huambo tem há oito anos a MARLA Comercial e a sua filial IDINNUS, uma cooperativa de prestação de serviços que actua nas áreas do imobiliário, jardinagem, assistência e manutenção técnica e hotelaria.

Monteiro Kenda Adriano é especialista em agronomia e director executivo da empresa
Fotografia: Rogério Tuti

O Huambo tem há oito anos a MARLA Comercial e a sua filial IDINNUS, uma cooperativa de prestação de serviços que actua nas áreas do imobiliário, jardinagem, assistência e manutenção técnica e hotelaria. A empresa presta apoio especializado ao Governo Provincial do Huambo, às administrações municipais e a clientes particulares na área da agricultura e veterinária.
Monteiro Kenda Adriano é o director executivo da empresa, um jovem técnico superior de Agronomia que coordena as acções e os projectos em toda a província do Huambo. “Em Abril vamos trabalhar igualmente com o Governo Provincial de Luanda na área da jardinagem. O contrato está fechado mas falta definir as áreas da capital onde vamos intervir”, disse à nossa reportagem Monteiro Adriano.
No campo imobiliário, a cooperativa de prestação de serviços tem um sector de vendas de imóveis, mobiliário de habitações, acabamentos e decoração. A MARLA Comercial tem cinco técnicos especializados no sector, que apoiam em permanência os clientes, sobretudo na cidade do Huambo.
A cooperativa está em expansão neste domínio: “a área do imobiliário tem um grande potencial na província do Huambo, mas neste momento está um pouco parada. O que nós estamos a fazer é angariar clientes e procurar oportunidades de negócios num serviço de mediação”, disse Monteiro Adriano.
A MARLA Comercial começou a sua actividade na jardinagem. O primeiro cliente da empresa foi a Administração do Bailundo: “os jardins do município estiveram sob nossa responsabilidade até Janeiro deste ano. Mas Também fizemos novos jardins e a sua manutenção em casas particulares, escolas, colégios, hospital e condomínios”.
Monteiro Adriano referiu que “a cooperativa de prestação de serviços tem como actividade principal a jardinagem. Neste sector, a MARLA Comercial tem oito técnicos e máquinas apropriadas. Estamos em condições de trabalhar em qualquer parte do país”.
A empresa aposta forte na área ambiental e está preparada para prestar serviços na área da recolha de resíduos sólidos: “é uma área nova e estamos a trabalhar para conquistar uma importante fatia do mercado nacional. Para já estamos a trabalhar em Luanda, mas queremos trabalhar em todo o país”.
A MARLA Comercial tem equipamento moderno para intervir na área ambiental: “adquirimos camiões de recolha e compactação dos resíduos sólidos, contentores e outros equipamentos. Em breve somos seguramente a empresa nacional mais bem equipada na recolha de lixo”. A cooperativa de prestação de serviços já está a seleccionar o pessoal para trabalhar com os equipamentos.

Assistência técnica

A MARLA Comercial presta serviços especializados na assistência técnica na agricultura e pecuária: “quando somos consultados, os nossos técnicos vão às propriedades agrícolas e pecuárias, fazem o diagnóstico das necessidades e dão as soluções ideais. Trabalhamos com grandes fazendas e pequenas lavras”, revelou Monteiro Adriano à nossa reportagem. />“Os técnicos, além do diagnóstico, elaboram um relatório onde recomendamos a melhor solução para a fazenda ou a lavra do cliente. Trabalhamos muito com camponeses associados e também pessoas singulares” disse o director Executivo da MARLA Comercial.
Na veterinária o procedimento é idêntico: “os camponeses têm problemas com os animais e nós intervimos. O nosso médico veterinário faz vacinações e consultas”, informou Monteiro Adriano.

Vida nutritiva

A MARLA Comercial está a desenvolver o “Projecto Vida Nutritiva” para dar aos camponeses novas perspectivas na criação de gado: “nós temos uma fazenda no Bailundo, comuna da Hanga. Através deste projecto, apoiamos os camponeses que estão à volta da fazenda. Temos uma moagem que nos permite fabricar rações animais, que fornecemos aos camponeses a baixo preço. Estas rações são estudadas pelos nossos técnicos para terem elevado valor nutritivo e ao mesmo tempo serem equilibradas”.
Na fazenda da MARLA Comercial estão a ser cultivados produtos que em breve são lançados no mercado, com marca própria: “vamos produzir fenos, leguminosas e cereais. No âmbito do Projecto Vida Nutritiva a empresa vai abrir uma escola de campo onde vamos ensinar aos camponeses as melhores práticas agrícolas. No período da manhã, a escola vai ministrar o ensino primário aos filhos dos camponeses, porque na comuna da Hanga há poucas escolas e nós queremos contribuir para a integração de todas as crianças no sistema de ensino”.
A região do Bailundo tem um povoamento muito disperso e há casos em que existe uma escola numa aldeia mas as crianças de outra aldeia têm de andar muitos quilómetros para ir às aulas. A abertura da escola na fazenda da MARLA Comercial vai servir às crianças da área que assim não vão ter de se deslocar mais de 15 quilómetros para frequentarem as aulas”.
A fazenda da Hanga, disse Monteiro Adriano, “vai lançar no mercado produtos muito abaixo dos preços de mercado e isso é um factor importante para as populações da região do Bailundo”.


Área de Informática

A MARLA Comercial aposta na área da informática e actua na reparação, manutenção e venda de equipamentos informáticos: “temos um cyber café no Bailundo que apoia os estudantes do ensino secundário. Em breve vamos montar um espaço comercial para exposição e venda de equipamentos. Neste momento a nossa aposta é apetrechar empresas e instituições com material informático”.
A cooperativa de prestação de serviços está a desenvolver um projecto que visa a abertura de uma escola de informática que vai ministrar cursos básicos e especializados.
“Há muitos jovens na província do Huambo que precisam de desenvolver os seus conhecimentos de informática, mesmo aqueles que frequentam os diversos graus de ensino. Nós queremos responder às necessidades desse segmento do mercado e estamos a criar todas as condições para abrir uma escola de informática”, anunciou à nossa reportagem o director executivo da empresa.

Tempo

Multimédia