Províncias

Energia do Ngove para o Huambo e Bié

Mário Clemente e Justino Vitorino | Huambo

O governador da província do Huambo, Fernando Faustino Muteka, garantiu, no município do Longonjo, que a partir de Fevereiro do próximo ano, a província vai passar a beneficiar de 20 megawotts da energia produzida na barragem do Ngove.

A partir de Fevereiro Huambo vai receber 20 megawotts da energia produzida na barragem do Ngove que na segunda fase vai beneficiar também a província do Bié
Fotografia: Francisco Lopes

O governador da província do Huambo, Fernando Faustino Muteka, garantiu, no município do Longonjo, que a partir de Fevereiro do próximo ano, a província vai passar a beneficiar de 20 megawotts da energia produzida na barragem do Ngove.
Faustino Muteka disse que a energia vai chegar em Fevereiro de 2011, até onde forem estendidos os cabos de transporte. “Vamos ter que construir postos de transporte para fazer chegar a energia eléctrica a alguns municípios distantes e à vizinha província do Bié”, afirmou o governador.
Na segunda fase, que segundo o governador Faustino Muteka começa depois de quatro meses do arranque da primeira, a província do Huambo vai receber mais 20 megawotts, num total de 40, para dar oportunidade ao parque industrial da província. Até ao final das obras está previsto totalizar 60 megawotts para abastecer a província do Huambo e do Bié.
Faustino Muteka disse ainda que, para se evitar dificuldades na distribuição de energia para a zona urbana e suburbana da cidade do Huambo, é preciso começar já a revisão ou mudança dos cabos que se encontram em mau estado de conservação e estender a distribuição de energia aos novos bairros que vão nascendo na cidade e periferia.

Carreira docente

Mais de dez mil professores do ensino geral foram actualizados nas suas categorias, em conformidade com o tempo de serviço e perfil académico, desde o início do processo, em 2008. A informação foi prestada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação, Cultura, Desporto e Comunicação Social no Huambo, Adriano dos Santos.  Adriano dos Santos disse que desde o início do processo, a província do Huambo conseguiu actualizar 10.033 professores nas categorias da carreira docente, em conformidade com o tempo de serviço e o perfil académico, faltando actualizar 2.900 processos.
Adriano dos Santos esclareceu que aos 2.900 é preciso acrescentar alguns professores que estão mal actualizados. “Um grande número de docentes melhorou o perfil académico, porque quando o processo de reclassificação começou, muitos deles tinham o curso médio e hoje são licenciados”, disse, acrescentando que outros professores são técnicos superiores que ainda não foram actualizados.
O presidente do Sindicato disse que um número elevado de professores, por erro técnico do gabinete de informática, viram baixar os seus salários.
Adriano dos Santos revelou que professores que ganhavam 56 mil Kwanzas por mês, agora baixaram para 25 mil Kwanzas, provocando um grande descontentamento no sector da educação.  
“Este foi o motivo pelo qual a direcção executiva do sindicato solicitou um encontro, em Janeiro deste ano, com a Direcção Provincial da Educação e com o gabinete de informática da delegação provincial das Finanças. Neste encontro debateram-se vários assuntos e chegámos à conclusão de que devíamos enviar rapidamente a Luanda uma comissão técnica para fazer o levantamento de todos os quadros que estão nestas condições”, esclareceu o dirigente sindical.
Adriano dos Santos disse que alguns documentos fundamentais que visam a formação académica foram exigidos, através dos órgãos competentes, como certificados e declaração de tempo de serviço, sobretudo para aqueles professores a quem baixaram os salários, para se regularizar a situação.

Tempo

Multimédia