Províncias

Engenhos destruídos no Huambo

O Instituto Nacional de Desminagem (INAD), na província do Huambo, destruiu 1.271 engenhos explosivos, entre minas e munições de diversos calibres, ao longo do primeiro semestre deste ano,  revelou à Angop o seu responsável, Victor Jorge.

O Instituto Nacional de Desminagem (INAD), na província do Huambo, destruiu 1.271 engenhos explosivos, entre minas e munições de diversos calibres, ao longo do primeiro semestre deste ano,  revelou à Angop o seu responsável, Victor Jorge.
Entre os engenhos destruídos, destacam-se minas anti-pessoais, anti-tanque e munições. Victor Jorge deu a conhecer que os engenhos foram removidos de uma área de 519.951 metros quadrados. 
Foram igualmente recolhidos na província do Huambo 3.500 objectos de metal, com maior número no município da Tchikala Tcholoanga.
Victor Jorge afirmou que no primeiro semestre deste ano se efectuaram algumas actividades nas instalações do antigo Comando Militar da Frente Centro e foi verificado o traçado das torres de alta tensão.
O Instituto Nacional de Desminagem no Huambo enfrenta algumas dificuldades por insuficiência de brigadas técnicas: “neste momento a província conta apenas com uma brigada composta por 77 homens, o que não responde às necessidades, pois ainda são várias as zonas com minas”, referiu Victor Jorge.
Durante o primeiro semestre deste ano, o Instituto Nacional de Desminagem no Huambo desenvolveu campanhas de sensibilização sobre os riscos das minas, nas quais participaram 748 pessoas, entre homens, mulheres e crianças. “Apelamos à população para não andar nas matas onde ainda não se fez a desminagem ou em áreas de perigo”, frisou Victor Jorge.

Tempo

Multimédia