Províncias

Ensino especial no Huambo é reforçado com nova escola

Um total de 30 alunos com necessidades educativas especiais, entre surdos, mudos e cegos, está a aprender a ler e a escrever este ano, na escola Pamosi, da Igreja Baptista do Calvário, na província do Huambo.

Um pormenor da cidade do Huambo que acaba de ganhar uma escola para alunos especiais
Fotografia: João Gomes| Edições Novembro

A instituição de ensino especial, cujos parceiros são a Junta de Missões Mundiais da Convenção Baptista Brasileira e a direcção local da Educação, reabriu as portas no presente ano lectivo, quatro anos depois de um interregno.
A directora da escola, a missionária Rosângela Ferro Teck de Gamba, disse que, apesar de as dificuldades prevalecerem, decidiram reabrir as portas para permitir que crianças com necessidades educativas especiais não fiquem de fora do sistema normal de ensino.
Rosângela Ferro Teck de Gamba admitiu que a falta de salas de aula constitui uma das  grandes dificuldades da escola, cujos alunos, com idades entre os cinco e 25 anos, frequentam desde a 1ª até à 6ª classe. Além dos 30 alunos com necessidades educativas especiais (cegos, mudos e surdos), a escola Pamosi também matriculou 20 sem necessidades educativas especiais, em cumprimento ao processo de inclusão social.
A missionária Rosângela Ferro Teck de Gamba informou que os alunos da Pamosi, expressão na língua nacional umbundo que, traduzida para português, significa juntos, frequentam cursos básicos de pastelaria, bordado, sapataria e confecção de tranças, assim como prestação de assistência social e espiritual à comunidade.
A directora da escola sublinhou que, mesmo sem as condições desejadas, a visão da Igreja Baptista do Calvário é tornar-se numa referência nacional no ensino de qualidade e de oportunidade para o desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens com necessidades educacionais especiais. Actualmente, a instituição, criada em 2004, possui quatro salas de aula e oito professores.

Tempo

Multimédia