Províncias

Escola do Humbo recebe centenas de alunos

André Amaro | Quipungo

Uma nova escola de seis salas foi erguida e apetrechada na comuna do Humbo, cerca de 35 quilómetros do município do Quipungo, província da Huíla, no âmbito do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza.

As crianças tinham de percorrer longas distâncias para estudarem mas com a construção de mais salas o sofrimento acabou
Fotografia: José Amaro |Quipungo

Uma nova escola de seis salas foi erguida e apetrechada na comuna do Humbo, cerca de 35 quilómetros do município do Quipungo, província da Huíla, no âmbito do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza.
O estabelecimento, a primeira do género a ser construída de raiz na região desde o tempo colonial, orçou em 23 milhões de kwanzas e vai proporcionar melhores condições de ensino e aprendizagem a mais de 400 alunos, no período da manhã e tarde, assim como aulas de alfabetação de adultos à noite.
O vice-governador da Huíla, José Arão, que inaugurou o empreendimento, ressaltou que a construção de infra-estruturas sociais é uma das principais prioridades do Executivo para a melhoria das condições de vida das populações, sobretudo nas localidades mais recônditas. “Esta escola vai albergar mais de 400 alunos que estudavam debaixo de árvores, sem carteiras, mas a partir do próximo ano lectivo terão óptimas salas, carteiras e material didáctico”, frisou.
José Arão recordou que anteriormente as populações tinham de percorrer longas distâncias para estudarem, procurar assistência médica, água potável e outros serviços. Hoje, referiu, o Governo inverteu o quadro, aproximando os serviços às comunidades rurais. “O Governo da província está a cumprir a sua parte com a colocação de infra-estrururas sociais e a comunidade deve corresponder em encaminhar os filhos à escola, conservar as infra-estruturas e acolher os quadros que vêem prestar estes serviços”, realçou.

Compromisso
 
A comunidade da comuna do Humbo comprometeu-se em participar na gestão e conservação do património. “É com muita alegria que recebemos esta escola, porque vai minimizar a falta de salas existente. Comprometemo-nos, desde logo, em zelar pela sua manutenção, limpeza e conservação”, disse Bulei Mário, uma das habitantes da localidade.
Sublinhou que antes da construção da escola, as crianças estudavam em estruturas de pau-a-pique, adobe e debaixo de árvores, sujeitas a chuva, vento, frio e sol.  Entretanto, a comunidade do Humbo viu também inaugurada, no mesmo dia, pelo vice-governador José Arão, uma farmácia construída de raiz devidamente apetrechada com medicamentos e material gastável, no âmbito do Programa de Municipalização dos Serviços de Saúde.
A farmácia a ser instalado é a primeira de um conjunto de quatro que estão em construção nas comunas do Chicungo, Sendi e  sede municipal de Quipungo, e visam permitir aproximar os serviços de saúde às comunidades rurais.
A construção das farmácias, disse o governante, vai desencorajar o recurso da população aos mercados informais para a aquisição de medicamentos.
Ao Centro de Saúde do Sendi, o vice-governador entregou uma ambulância e anunciou, para o próximo ano, o reforço de mais quadros técnicos para diferentes comunas, sectores e aldeias do município do Quipungo, à luz do Programa de Municipalização dos Serviços de Saúde, que, conforme sublinhou, “possui recursos suficientes para aquisição de medicamentos, cadeias de frio para conservação de vacina, manutenção das infra-estruturas, transporte, alimentação e recrutamento de quadros técnicos”.
Joaquim Francisco, responsável da Repartição de Saúde, explicou que a gestão das farmácias será privada, sob a fiscalização da administração municipal local para garantir a venda de medicamentos a preços acessíveis.
“Serão formados farmacêuticos para garantir um serviço de qualidade e personalizado às populações, auxiliando os postos de saúde nas respectivas comunidades”, disse o responável.
A rede sanitária do município de Quipungo conta com oito postos de saúde, dois centros médicos cujo funcionamento é garantido por dois médicos e 33 técnicos.

Tempo

Multimédia