Províncias

Escolas prontas para o êxito do ano lectivo

Estácio Camassete | Huambo

O director provincial da Educação, Manuel Sampaio do Amaral, disse ontem, ao Jornal de Angola, que as escolas do Huambo, tanto públicas como privadas, têm todas as condições criadas para o êxito do ano lectivo 2013.

O director provincial da Educação, Manuel Sampaio do Amaral, disse ontem, ao Jornal de Angola, que as escolas do Huambo, tanto públicas como privadas, têm todas as condições criadas para o êxito do ano lectivo 2013.
Sampaio do Amaral afirmou que todas as direcções de escolas foram orientadas pelo Ministério da Educação a cumprir rigorosamente o calendário escolar, como pressuposto fundamental para o sucesso do ano lectivo.
Para o ensino primário, Sampaio do Amaral disse estar garantido o material escolar para todos os alunos, que será distribuído gratuitamente.
No presente ano lectivo, a província do Huambo matriculou cerca de 699 mil alunos e mobilizou mais de 23 mil professores.
O director da Educação prometeu tomar duras medidas contra os professores faltosos, acrescentando que a inspecção escolar vai redobrar o seu trabalho para disciplinar os que violarem as orientações do Ministério.

Balanço positivo

Sampaio do Amaral considerou positivo o balanço do ano lectivo passado, tendo em conta o nível de aproveitamento escolar dos alunos, avaliado acima da média, nos três subsistemas de ensino.No ano passado, o sector da Educação no Huambo funcionou com 1.605 escolas, correspondente a 4.582 salas de aulas. A província precisa de mais 600 salas, para acomodar o elevado número de alunos matriculados, sobretudo os que entram pela primeira vez no sistema normal de ensino.
Sampaio do Amaral garantiu que uma das principais preocupações do Governo, para o presente ano económico, é a construção de mais estabelecimentos escolares do I e II ciclos e do primeiro nível, em todos os municípios da província.

Aulas nocturnas

O director da escola primária Deolinda Rodrigues, Justo Sasoma, confirmou ao Jornal de Angola que as condições estão criadas para o ano lectivo.
A escola matriculou este ano cerca de 1.890 alunos, da iniciação a 6ªclasse, distribuídos em 24 salas de aulas, nos dois turnos, orientados por 54 professores. Nesta escola, segundo o seu director, os alunos tiveram um aproveitamento de 90 por cento no ano lectivo anterior.
A escola foi reabilitada e ampliada em 2008. O edifício principal, que contava apenas com nove salas de aula, passou a ter 24, possibilitando a entrada de mais crianças. Justo Sassoma apontou como principal preocupação da instituição a falta de energia para os alunos do período nocturno.Na escola primária número 34, afecta aos antigos combatentes e veteranos da pátria, a subdirectora administrativa, Clementina Kassessa, considerou igualmente satisfatório o índice de aproveitamento escolar dos alunos, que se situou acima da média.

Reforma educativa

Para este ano, a escola vai ter perto de 1.850 alunos, orientados por 74 professores da 7ª a 9ª classe, distribuídos em 45 salas de aula, evitando assim o excesso de alunos por turma, segundo recomenda a reforma educativa.
A escola, segundo a sua responsável, tem necessidade de mais de oito professores, nas disciplinas de Inglês, Matemática e Língua Portuguesa.
Na escola privada Politécnica do Huambo foram matriculados 550 alunos, da iniciação a 12ª classe. A directora Inês Serrano confirmou que o aproveitamento dos alunos durante o ano passado considera-se satisfatório e a perspectiva é de que, para este ano lectivo, venha a ser ainda melhor.
A directora da escola privada Politécnica do Huambo pediu maior colaboração dos encarregados de educação, para que se possa atingir este objectivo.

Tempo

Multimédia