Províncias

Estrada Bailundo/Lunje em reabilitação

Adolfo Mundombe | Huambo

A estrada de 43 quilómetros que liga a comuna do Lunje à sede do Bailundo há vários anos degradada começou a ser reabilitada e deve estar concluída em três meses, disse o administrador municipal.

Devido ao mau estado da via a população tem como principal meio de transporte as motos que demoram menos tempo a fazer o percurso
Fotografia: Adolfo Mundombe| Huambo

Ireneu Sakahala, que falava no acto da consignação da obra, lembrou que a empreitada faz parte do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza e que a população do Lunge, a comuna mais populosa do Bailundo, se dedica maioritariamente à agricultura e pecuária.
A reabilitação da principal via entre a vila e a sede municipal, orçada em 35 milhões de kwanzas, que inclui a construção de pontes sobre os rios Luvulo e Capange, referiu, vai facilitar o escoamento e troca de produtos entre o campo e os centros urbanos.
Após concluída a obra, salientou, a vida dos habitantes do Lunje melhora, pois entram em funcionamento autocarros, o que lhes permite fazerem as transacções em melhores condições. No município decorrem também obras de reabilitação e asfaltagem da estrada Bailundo/Luvemba e Luvemba/Cruzamento, município do Cassongue, no Kwanza-Sul, bem como das vias terciárias da vila do Bailundo.
O administrador da comuna do Lunje disse que a reabilitação da estrada vai facilitar bastante a vida da população, principalmente dos camponeses, que passam a fazer a viagem até ao Bailundo em menos de duas horas, quando agora demoram mais de três. Bento Katchivo declarou que, além disso, a ­comuna passa a ser mais atraente para investidores, designadamente comerciantes. Devido ao mau estado da via, segundo o administrador, a maioria da população tem como principal meio de transporte as motos e moto-táxis, que cobram mais de mil kwanzas por corrida. A comuna, disse Ireneu Sakahala, tem vários troços ­ro­doviários por reabilitar, entre os quais os que ligam a vila às povoações de Cassenje, Ngolongo e Ngandalinha/­Mungo. O soba grande da Ombala Lunje, Angelino Santos, sublinhou que a reabilitação das estradas traze enormes benefícios aos habitantes da região. A comuna do Lunje tem 20 ombalas e cerca de 54 mil habitantes, na maioria camponeses.
Na região estão em curso diversas acções de impacto social, para melhorar o nível de vida da população. Das acções em curso, destaque para a reabilitação e construção de postos médicos, centros de saúde e escolas, para melhorar a assistência à população e inserir mais crianças no sistema de ensino.

Tempo

Multimédia