Províncias

Executivo reforça fornecimento de luz eléctrica e água potável

Estácio Camassete | Huambo

Mais de 20 mil famílias da província do Huambo vão beneficiar de energia eléctrica, nos próximos meses, com a instalação de uma nova central térmica, na zona da Dango, com capacidade para 50 megawatts, anunciou quinta-feira o director local da Empresa Nacional de Distribuição de Energia (ENDE).

Vista parcial da cidade do Huambo onde a população tem à disposição mais sistemas de fornecimento e abastecimento de energia e água
Fotografia: JAImagens

Noé Mota avançou que a central térmica, que vai ajudar a cobrir o actual défice de energia existente, é construído no quadro dos novos projectos desenhados para reforçar e melhorar o fornecimento de energia e água às populações.
Ao falar no termo de uma visita do secretário de Estado da Energia e Águas, Joaquim Ventura, que avaliou o andamento de obras do sector no Huambo, o director  local do ENDE informou que a província regista uma restrição de energia na ordem dos 17 megawatts, numa altura em que a cidade do Huambo precisa de 50 megawatts, isto, sem contar com necessidades das indústrias.
Actualmente, disse o responsável, a capacidade que recebe a cidade não chega a 30 megawatts, dai a necessidade de se aumentar urgentemente a capacidade de fornecimento de energia, para beneficiar também os bairros periféricos.
Sem especificar uma data para o início da execução das obras da montagem da nova central térmica, Noé Mata informou que o projecto se enquadra no programa do Governo local que visa criar fontes alternativas à  barragem do Gove, que apresenta problemas relacionados com a potência.
O director provincial da ENDE explicou que estão em curso as obras de montagem de 20 mil ligações domiciliares e de instalação de cerca de cem postos de transformação, no âmbito da linha de financiamento da China, assim como continuam as obras de substituição do sistema pós-pago.
No domínio da iluminação pública, Noé Mata garantiu que a instituição vai continuar a dar suporte técnico à Administração Municipal do Huambo, no sentido de manter as artérias da cidade melhor iluminadas.

Água potável

Quanto à água, Noé Mata disse que a actual estação de abastecimento funciona apenas 18 horas por dia, devido às constantes interrupções no fornecimento de energia eléctrica.
O director provincial garantiu que graças a um plano coordenado com a ENDE, esta situação pode ser normalizada dentro em breve.
Quando voltar ao funcionamento pleno, a estação de captação de água do rio Culimahãla deve bombear, em média, cerca de 32.640 metros cúbicos por dia, contra os actuais 24.480 metros cúbicos.
O secretário do Estado de Energia, Joaquim Ventura, visitou o bairro da Canata, onde se localiza a travessia da conduta de água, que abastece a Cidade Alta.

Ligações domiciliárias


Joaquim Ventura visitou também  a estação Culimahãla, bem como inteirou-se sobre o abastecimento de energia eléctrica no bairro social do Lossambo e o sistema de iluminação pública, na área da Santa Teresa, no bairro Benfica.
Na captação de água do Culimahãla, Joaquim Ventura ouviu as preocupações da direcção da Empresa de Águas sobre a falta do sulfato de alumínio e de cloro, assim como abordou a situação de inundações, que têm acontecido nos meses de Janeiro a Março, quando sobe o caudal do rio. O presidente do conselho administrativo da Empresa de Águas, Adolfo Elias, disse que a nível da cidade do Huambo foram feitas, nos últimos meses, mais de 12 mil ligações. Neste momento, a empresa controla cinco grandes reservatórios, que possibilitam fornecer água potável para quase toda a cidade do Huambo.

Tempo

Multimédia