Províncias

Falta de condições nas casas das famílias faz aumentar número de crianças nas ruas

Juliana Domingos |Huambo

A directora provincial do Instituto Nacional da Criança, (INAC), do Huambo, disse, ao Jornal de Angola, que a falta de condições em casa tem feito aumentar do número de crianças nas ruas.

A directora provincial do Instituto Nacional da Criança, (INAC), do Huambo, disse, ao Jornal de Angola, que a falta de condições em casa tem feito aumentar do número de crianças nas ruas.
 “O problema não é só do Huambo, é de todas as cidades e outros centros urbanos do nosso país”, afirmou Júlia Katinda, acrescentando que, nos últimos tempos, a situação se agravou, com o aumento de número de crianças e adolescentes nas ruas do Huambo”.
Muitos, referiu, dedicam-se à venda ambulante de produtos duvidosos, outros a pedirem ajuda a pessoas nas ruas e nos mercados. Alguns desses adolescentes e crianças drogam-se, ingerem bebidas alcoólicas e roubam, alertou Júlia Katinda, frisando que nem todos são órfãos, fogem de casas dos seus pais ou porque lá são maltratados ou simplesmente adquiriram vícios e pretendem viver uma vida mais solta na rua.
 “Há também pais e encarregados que não controlam os filhos e nem sequer se preocupam quando estes não aparecem”, disse, sublinhando que, “por isso, uns fogem e preferem a rua”.
 A directora provincial do INAC reconheceu falta de condições em muitos lares, onde há famílias com vida difícil, sem que os pais consigam dar o verdadeiro amor aos filhos. Mas, o Governo, lembrou, tem feito esforços para acolher essas crianças em centros criados para esse fim, dando-lhes estudo, alimentação, roupa e outros tipos de apoio.
 As autoridades locais, disse, estão a criar condições para as crianças se sentirem mais alegres e divertidas “porque existem poucos espaços, como jardins e campos para a prática de futebol ou outras modalidade”.
Na província do Huambo está a ser construído um centro de acolhimento para 1.200 crianças desfavorecidas e a reabilitar outros.

Tempo

Multimédia