Províncias

Filme retrata o quotidiano de crianças do lar Okutiuka

Estácio Camassete | Huambo

O dia-a-dia das 55 crianças do orfanato Okutiuka, localizado na rua do Comércio, em Benfica, na cidade do Huambo, foi retratado em filme, da autoria do cineasta norte-americano Jeremy Xido, intitulado “Death Metal Angola”.

O filme, produzido entre 2011 e 2012, tem a duração 1h15 minutos e contou com a participação dos responsáveis e adolescentes do referido orfanato, onde, além da formação e educação, se referencia o dia-a-dia na instituição e o surgimento de talentos de música de estilo rock.
Jeremy Xido disse que a ideia era produzir um documentário sobre o Caminho-de-Ferro de Benguela, mas depois conheceu os responsáveis da ONG Okutiuka, com quem  abordou assuntos ligados à vida das crianças no lar.
O cineasta referiu que “Death Metal Angola” fala do amor ao próximo, desde a criação do orfanato Okutiuka, que acolhe crianças desamparadas por motivos de guerra, ao interesse que elas têm pela música rock. 
“Estamos na fase de promoção do filme, que já foi apresentado em 40 países de todos os continentes e futuramente vai ser produzido em DVD, para comercialização”, disse Jeremy Xido.
A responsável do orfanato, Sónia Ferreira, disse que o filme é uma história real, que chama a a­tenção às pessoas, com a esperança de ajudar a construir um cantinho melhor.

Apoio da sociedade

O filme é projectado desde o tempo de guerra, a criação da ONG e as muitas dificuldades enfrentadas até à sua concretização como projecto.
“O filme é uma fusão entre actividades com pessoas com vontade de levar a cabo acções impossíveis”, disse Sónia Ferreira.
Rosa de Jesus Pereira, presente na sessão de apresentação, disse que o filme mostra a solidariedade com as crianças que vivem no lar Okutiuka e para além de descobrir os seguidores da música rock também espelha as dificuldades existentes no orfanato.
O cineasta Jeremy Xido está em Luanda para participar na sexta edição do Festival Internacional de Cinema. As crianças do referido lar têm recebido vários apoios da sociedade civil.

Tempo

Multimédia