Províncias

Fórum sindical da educação defendeu a monodocência

O novo presidente do Fórum Sindical da Educação Nacional, José Adão João, defendeu no sábado, no Huambo.

O novo presidente do Fórum Sindical da Educação Nacional, José Adão João, defendeu no sábado, no Huambo, a necessidade de aumentar o número de professores em sistema de monodocência nas disciplinas de educação física e nucleares, para o êxito do processo da reforma educativa vigente no país.
“Torna-se um imperativo repensar a hierarquização da educação ao abrigo da lei número 17/2010 sobre a organização e funcionamento dos órgãos da Administração local do Estado, uma vez que as políticas da educação têm melhor alcance científico e metodologia na verticalidade a partir do Ministério da Educação, ou seja, voltarmos para a figura das delegações provinciais”, considerou.
No âmbito da parceria com o Ministério da Educação, sublinhou o compromisso e a vontade de colaboração, porque só em conjunto se pode fazer uma educação e ensino com qualidade, um pilar fundamental para o desenvolvimento do paísJosé. Adão João referiu ainda que vai continuar a seguir os objectivos da proclamação da agremiação, imprimindo um maior dinamismo nos assuntos atinentes ao bem-estar sócio-profisssional dos trabalhadores da educação, continuando a privilegiar o diálogo e a concertação permanente com o Ministério da Educação e com a equipa interministerial criada à luz do despacho presidencial interno número 6/2011 de 29 de Dezembro.
Para o seu novo mandato, o presidente do Fórum pretende continuar a estabelecer contactos com o Sindicato dos Professores, tendo em vista a adesão deste ao Fórum, criar o comité da mulher sindicalizada, prestar mais atenção aos trabalhadores técnico-pedagógicos, administrativos e auxiliares de limpeza.
Além disso, quer que seja revista a política salarial do diploma número 34/2003 de 27 de Junho, para que confira aos técnicos superiores a sua essência, sejam criadas condições sociais e laborais para os professores, em especial aqueles que exercem na periferia.

Tempo

Multimédia