Províncias

Governo enaltece trabalho desenvolvido pela ADRA

Tatiana Marta | Huambo

O papel e a contribuição da Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA) no desenvolvimento das comunidades.

Através de acções práticas e pedagógicas que têm permitido aumentar o rendimento das famílias e a diminuição da fome e da pobreza, mereceu no sábado o reconhecimento das autoridades da província do Huambo.
Ao intervir na abertura do XIX Conselho Consultivo da ONG Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), o vice-governador do Huambo para o sector Técnico e Infra-Estruturas, Francisco Kissanga, destacou o papel daquela organização não governamental para o crescimento do país e da província em particular.
Francisco Kissanga agradeceu, em nome do Governo do Huambo, o papel desempenhado por organizações da sociedade civil que têm criado espaços de debate sobre temas de interesse público e contribuem para o desenvolvimento social e económico da província.
O vice-governador provincial frisou que o Governo do Huambo está a desenvolver uma campanha permanente contra o lixo e disse esperar que as associações cívicas participem neste processo. O presidente do conselho directivo da ADRA, Guilherme Santos, disse que o encontro avaliou o plano estratégico da ONG para o período 2012/2016 e perspectivou acções para os próximos anos.
Guilherme Santos sublinhou que é importante que a ADRA aprofunde a sua actividade e faça uma reflexão sobre as implicações de médio e de longo prazo que decorrem das múltiplas transformações no contexto do país e do Mundo.
A directora da organoAcção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente, no Huambo, Maria de Lassalete, prometeu continuar a apoiar as comunidades com acções concretas nos próximos cinco anos. Durante a reunião do conselho foram abordados, entre outros temas, “resultados do processo de avaliação e planificação estratégica da organização”, “análise do contexto, com incidência nas áreas de desenvolvimento e governação local” e “financiamento às organizações não-governamentais”.
Também mereceu análise as questões do “contexto internacional e tendências” e “linhas de orientação de trabalho para a organização dos próximos anos”.

Tempo

Multimédia