Províncias

Hemoterapia do Huambo necessita de mais dadores

Justino Vitorino | Huambo

A  secção de hemoterapia do Hospital Central do Huambo está sem sangue, nos últimos dias, para ajudar os doentes com necessidades de transfusão, revelou ontem o chefe da área.

Reservas de sangue precisam de reforço
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Félix Ulica apelou às igrejas, organizações juvenis e demais associações da sociedade civil para levarem a cabo campanhas de doações de sangue, no sentido de ajudar a salvar vidas.
O chefe de secção de hemoterapia salientou que é preciso que “todas as pessoas com condições de saúde aceitável ganhem consciência para a doação de sangue”, com vista a assegurarem que os hospitais tenham reservas suficientes para tratar os doentes.
Félix Ulica esclareceu que as áreas de serviços da  maternidade, reanimação, bloco operatório, cirurgia, pediatria, medicina geral, banco de urgência e ortopedia do Hospital Geral do Huambo são as que mais têm necessidade de sangue.
O responsável afirmou que a unidade sanitária tem estado a ser assistida por doadores voluntários, com destaque para membros de igrejas, efectivos das Forças Armadas, Polícia Nacional, Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, partidos políticos, organizações sociais e de pessoas singulares.
Félix Ulica realçou que a secção de hemoterapia da maior unidade sanitária da província do Huambo tem encontrado igualmente dificuldades no que respeita ao grupo sanguíneo RHO negativo.
“Este tipo de pessoas pode doar para todos os grupos, mas, infelizmente, só recebe de si mesmo, facto que tem criado muitos constrangimentos”. A média diária de doentes internados com necessidades de transfusão de sangue é de três a quatro pacientes, numa altura em que a unidade está sem reservas, concluiu Félix Ulica.

Tempo

Multimédia