Províncias

Huambo carece de docentes

Justino Vitorino | Huambo

A província do Huambo necessita, até 2015, de 15 mil novos professores, para os vários níveis de ensino, segundo dados avançados, no último fim-de-semana, pela vice-governadora para o sector político e social, Loty Nolica.

Governo provincial pretende inserir todas as crianças no sistema normal de ensino
Fotografia: Jornal de Angola

A província do Huambo necessita, até 2015, de 15 mil novos professores, para os vários níveis de ensino, segundo dados avançados, no último fim-de-semana, pela vice-governadora para o sector político e social, Loty Nolica.
De acordo com a governante, que falava à comunicação social local, tal necessidade prende-se com o facto de a província do Huambo registar um número considerável de crianças fora do sistema de ensino. Os registos do sector da educação apontam para a existência de aproximadamente 25 mil professores na província, número considerado pelo governo insuficiente para enfrentar o problema de crianças e jovens fora do sistema normal de ensino. A vice-governadora do Huam­bo assegurou estarem em curso em vários municípios a construção de mais 100 salas, nos municípios da Ekunha, Tchicala-Tcholohanga, Tchin­­djendje e Mungo, cujas localidades apresentam maiores dificuldades em termos de infra-estruturas escolares.
No que toca ao ensino superior, Loty Nolica referiu que, com a criação da Universidade José Eduardo dos Santos, a província tem estado a registar passos significativos na formação de quadros.
Segundo a vice-governadora Loty Nolica , só no ano passado, a província do Huambo recebeu 177 novos licenciados em diversas áreas, com destaque para as da Economia, Direito e Engenharia Agrária.

Tempo

Multimédia