Províncias

Huambo debate oportunidades de emprego

Azevedo Faria | Huambo

Estudantes finalistas do Instituto Médio Agrário do Huambo debateram na sexta-feira e no sábado o empreendedorismo e as oportunidades de emprego para os profissionais do ramo agro-pecuário no país.

Vista parcial da cidade do Huambo onde o empreendedorismo foi tema de grandes debates
Fotografia: Jornal de Angola

O fórum, organizado pela direcção do instituto, teve como objectivo elucidar os futuros profissionais sobre o programa do Executivo relativo às oportunidades de emprego, uma vez concluída a formação, e dar a conhecer aos jovens como podem entrar em contacto com empresas interessadas em absorver a sua força de trabalho.
O actual currículo do Instituto Médio Agrário privilegia a formação de técnicos de produção vegetal e animal, com conhecimentos que permitem adaptar-se a uma grande variedade de funções no meio rural.
O director provincial da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural, Emitério Tiago, afirmou que a formação de novos empresários é o ponto de partida para o desenvolvimento do país, através da participação activa de todas as forças vivas, com destaque para os jovens.
“É importante apostar na formação de agricultores, uma vez que os técnicos médios não servem apenas para as instituições públicas, mas também para incrementarem negócios que ajudam a reduzir o desemprego entre a juventude”, sublinhou.
Emitério Tiago encorajou os jovens a mostrarem o seu potencial académico e profissional nos processos de crescimento e de desenvolvimento do país, lembrando que o programa do Executivo angolano passa por apetrechar os jovens do­ ensino médio e superior para que possam constituir as suas empresas. “O plano de formação de quadros privilegia as áreas ligadas aos sectores estratégicos do país, como a produção agro-pecuária e industrial, as micro, pequenas e médias empresas”, assegurou.
O director provincial da Educação, Ciência e Tecnologia, Manuel Sampaio do Amaral, elogiou o empenho e a participação dos alunos, oradores e moderadores, e afirmou que o objectivo primário é criar mais empresários nacionais e fomentar o emprego no país. “Os alunos finalistas não devem esperar unicamente as oportunidades que o Governo oferece, pois é necessário que criem o hábito de desenvolver o auto-empreendedorismo, através de programas do Executivo de microcrédito”, explciou Manuel Sampaio do Amaral.
Durante dois dias foram abordadas questões sobre a importância da formação técnica profissional no ramo da agricultura no contexto angolano, oportunidades de emprego para os técnicos médios agrários, criação de auto-emprego na área da agricultura e pecuária e oportunidades de negócios para os técnicos médios agrários.

Tempo

Multimédia