Províncias

Ida às aulas no Huambo foi travada pelas chuvas

Os primeiros dias de aulas, na província do Huambo, estão a ser marcados por um grande absentismo de alunos e professores em muitas escolas, situação provocada pelas fortes chuvas que se fazem sentir na região.

Poucos alunos compareceram nos primeiros dias e alguns chegaram muito tarde quando a direcção da escola já tinha dispensado os docentes
Fotografia: JAImagens

Durante uma ronda efectuada pela Angop por algumas escolas  constatou que, na segunda-feira,  terça e na quarta, muitas escolas nem sequer abriram as portas.
Na escola primária “Deolinda Rodrigues”, os professores compareceram, mas, por causa das chuvas, as salas estavam sem alunos.
O director da instituição, Ângelo Manuel, lamentou o facto, mas garantiu estarem reunidas as condições para  as aulas começarem, caso as condições climatéricas sejam favoráveis.
Em virtude da ausência dos alunos, os dia foram aproveitados para realização de uma assembleia, que juntou professores, trabalhadores administrativos e membros da direcção da escola, disse Ângelo Manuel.
Na escola do I ciclo do ensino secundário “Ndala Kandumbu”, o cenário foi o mesmo, os professores ficaram nas salas à espera dos alunos.
O director da instituição, David Tchavyalelwa, considera normal a situação, devido à intensidade das chuvas durante todo o  dia, mas apela aos pais para acompanharem os filhos a escola, para evitar reprovações por faltas. Já na escola primária e do I ciclo do ensino secundário “Joaquim Kapango”, a chegada tardia e em pouco número dos alunos obrigou a direcção da escola a cancelar o início das aulas. 
O director da instituição, Mário Segunda, afirmou que poucos alunos compareceram no primeiro dia, alguns chegaram muito tarde, quando a direcção da escola já tinha dispensado os professores.
Na escola do I ciclo do ensino secundário “Comandante Bula”, apesar da pouca afluência de alunos, as aulas tiveram mesmo início. Os professores aproveitaram o dia para a apresentação e fazerem considerações gerais.
 
Mbanza Congo


Em Mbanza Congo,  o cenário foi   marcado pela ausência em massa de alunos nas escolas do ensino geral, nos dois dias iniciais de aulas. A Angop constatou que nalguns estabelecimentos de ensino da cidade se sentia uma presença tímida de alunos, embora os professores tivessem comparecido em massa.
Directores e professores apontam a negligência dos pais e encarregados de educação estará na base da pouca afluência dos seus educandos às escolas.
O director da escola  Garcia Ramos lamentou o facto de alguns alunos terem ainda por confirmar as matrículas, facto que demonstra um grande desinteresse.

Tempo

Multimédia