Províncias

Instituto Agrário reforça assistência aos camponeses

O Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), na província do Huambo, prevê reforçar, este ano, a assistência técnica às famílias camponesas, para melhorar os indicadores de produção.

Este ano o IDA quer impulsionar a agricultura familiar em todas as províncias
Fotografia: Francisco Lopes

O Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), na província do Huambo, prevê reforçar, este ano, a assistência técnica às famílias camponesas, para melhorar os indicadores de produção.
Em entrevista à Angop, o responsável do instituto na província, Hemitério Tiago, referiu que neste ano agrícola, cuja abertura se prevê para o mês de Outubro, serão apoiadas 379 mil 254 famílias camponesas, nos 11 municípios da província.
Referiu que estas famílias vão cultivar uma área de 886 mil 828 hectares, fruto da introdução de novos bovinos para tracção animal na agricultura familiar.
Hemitério Tiago salientou que este ano será dada maior atenção à assistência técnica e à organização comunitária, através do incentivo à criação de associações de camponeses e do acompanhamento ao crédito agrícola de campanha.
A introdução de nova semente de milho para melhorar o rendimento de 300 quilos actuais para 800 e o acompanhamento do projecto de produção de mandioca, em que estão envolvidos 84 multiplicadores de semente, são também outras acções a serem implementadas pelo IDA na província. O responsável do IDA na província, Hemitério Tiago, salientou que este ano, com a implementação do crédito agrícola de campanha, em que estão envolvidos diversos bancos, espera-se que haja mais gado para tracção animal e com isso um aumento considerável da área cultivada.
Afirmou que a província tem actualmente 84 multiplicadores de semente de mandioqueira, um projecto iniciado em 2008 para incentivar a diversidade e garantir a segurança alimentar.

Fazendas agrícolas com bons indicadores

As fazendas agrícolas na província do Huambo apresentam bons indicadores de produção e muitos empresários procuram financiamento para revitalizar as áreas de produção.
As políticas de incentivo da actividade agrícola que o Governo angolano está a implementar contribuem para o avanço económico que a província tem registado, segundo o empresário agrícola Domingos David, proprietário da fazenda agro-pecuária Katumbo, que beneficiou de financiamento do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA).
Com uma área cultivada de 160 hectares, o empresário aposta na cadeia produtiva do milho. “No ano passado cultivamos milho em 60 hectares e os resultados são positivos. Prevemos uma colheita de 420 toneladas de milho e 15 de feijão”, disse.
Para o empresário, é necessário que o Governo continue a trabalhar para a melhoria das vias de acesso. “As estradas que dão acesso às fazendas ainda apresentam estado crítico, o que dificulta a transportação dos produtos e dos imputs agrícolas”, esclareceu.
Considerou ser importante que se estabeleçam taxas fixas dos produtos, de modo a se evitar prejuízos. “Os custos com a produção são bastante onerosos e a fixação de preços traria muitas vantagens aos produtores”, salientou.
A fazenda agro-pecuária Katumbo empregou 37 cidadãos, residentes no município do Lepi, para além dos trabalhadores eventuais que se contratam na altura da sacha (separação do capim das culturas).
Por outro lado, na fazenda agro-pecuária Mukakava, localizada na comuna da Tchipipa, estão em exploração dois mil e 520 hectares.
Esta fazenda também aderiu ao crédito no Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), com o objectivo de reforçar o projecto de produção de milho e feijão.
Segundo o gestor da fazenda Mukakava, Benedito Albano, para além da produção agrícola, a unidade dedica-se também à criação de galinhas poedeiras. Possui três mil pintos para a recria e 11 mil galinhas.
O proprietário da fazenda, Afonso Hossi, perspectiva bons resultados na produção de milho e feijão, com o financiamento do BDA.
Na província, os empresários contam também com o incentivo do Governo local, através do programa Huambo-Gen, dedicado à inseminação artificial para melhor reprodução do gado bovino, garantia da assistência técnica através da formação académica na Faculdade de Ciências Agrárias e no Instituto Agrário “Dango”, e outros destinados aos produtores de café.

Tempo

Multimédia