Províncias

Mau estado das linhas impede fornecimento

Vitória Quintas|Huambo

O director provincial da Empresa Nacional de Electricidade e Energia (ENE), Gilberto José, disse que o estado obsoleto dos cabos condutores de energia eléctrica tem causado falhas constantes no fornecimento de energia eléctrica em algumas áreas da cidade do Huambo.

 
O director provincial da Empresa Nacional de Electricidade e Energia (ENE), Gilberto José, disse que o estado obsoleto dos cabos condutores de energia eléctrica tem causado falhas constantes no fornecimento de energia eléctrica em algumas áreas da cidade do Huambo.
Em declarações ao Jornal de Angola, Gilberto José disse que a falta de energia que se regista na cidade, há duas semanas, se deve ao facto de um dos cabos que transporta a energia a partir da central, constituída por um grupo de geradores no bairro Benfica, ter sofrido avarias constantes.
 O director provincial da Empresa Nacional de Electricidade e Energia informou que a rede tem apenas capacidade para transportar seis quilowatts, dos 16 que produz a partir dos grupos geradores. “Os cabos estão constantemente a rebentar, não suportam o consumo devido ao facto de estarem há muitos anos em uso, sem serem substituídos,” disse Gilberto José.
O director provincial da Empresa Nacional de Electricidade e Energia referiu que foi substituído o troço e reposta a situação, mas a avaria regista-se também nas outras saídas da parte alta da cidade, porque os cabos não suportam os consumos actuais.
 “A actual rede de distribuição existe há mais de 30 anos e precisa de ser substituída, estamos a aguardar pela execução do projecto de reabilitação da rede de média e baixa tenção, cuja primeira pedra foi lançada em Maio último,” disse o director da ENE.
Gilberto José disse que o projecto de reabilitação da rede de distribuição de energia eléctrica de média e baixa tensão, cuja obra ainda não foi iniciada, tem a duração de 18 meses, com um orçamento estimado em 52 milhões de dólares e vai abranger as cidades do Huambo e Caála.
O projecto permite criar mais 10.500 novas ligações e permitir mais de três mil postos de iluminação pública. Mais de 12 mil clientes estão registados na empresa de electricidade, mas nem todos pagam o consumo, o que dificulta a gestão.
O aparecimento de novos empreendimentos e a alteração dos hábitos dos consumidores, que possuem cada vez mais electrodomésticos, fazem com que a actual rede não aguente a carga.  

Tempo

Multimédia