Províncias

Melhoria dos serviços é a aposta da empresa

Adolfo Mundombe | Huambo

O director da Empresa Provincial de Águas do Huambo (EPAH), Rodrigues Petter Kamerman, disse ontem que a empresa que dirige vai aumentar a quantidade de água a fornecer à cidade capital e expandir a rede para as novas urbanizações.

Directorl Rodrigues Petter Kamerman disse que o projecto vai se expandir a outras áreas
Fotografia: Francisco Lopes|Huambo

O director da Empresa Provincial de Águas do Huambo (EPAH), Rodrigues Petter Kamerman, disse ontem que a empresa que dirige vai aumentar a quantidade de água a fornecer à cidade capital e expandir a rede para as novas urbanizações.
De acordo com o responsável, o projecto vai ser expandido às novas urbanizações do Santo António e zona do Aeroporto Albano Machado e aos bairros suburbanos de Santa Iria, São José e São Pedro Popular e Camilquinhentos, com a entrada em funcionamento da nova central de captação montada sobre o Rio Cunhonãmua.
Seguindo à risca o programa do Executivo angolano “Água para Todos”, que visa abastecer todas as regiões do país até 2013, a EPAH vai, nos próximos seis meses, com a entrada em funcionamento da nova central de captação, aumentar a produção para 1.500 metros cúbicos na Cuca, situada na zona da Chianga.
O projecto de fornecimento de água à cidade do Huambo, que conta ainda com o apoio financeiro do Banco Mundial, abarcará, de acordo com Rodrigues Petter Kamerman, a montagem de um novo sistema de abastecimento à cidade e o seu alargamento para as novas urbanizações e os bairros suburbanos contemplados, numa primeira fase, pelo programa “Água para Todos”.
A montagem de contadores será um dos métodos a implementar para melhor controlo do fornecimento. Embora ainda não tenha especificado quantos contadores irão ser montados na cidade e arredores, Rodrigues Kamerman afirma que vão chegar ou, até, ultrapassar as 20 mil unidades, tendo em conta a actual configuração da cidade, que a cada dia que passa vê nascer novas urbanizações.

Muitos não pagam

Actualmente, a EPAH controla cinco mil consumidores que pagam as suas contas regularmente, mas o seu director garante que mais de oito mil famílias consomem água sem pagar qualquer comparticipação à operadora.
A empresa tem mais de 90 trabalhadores nas diferentes especialidades, que têm beneficiado de formação intensiva para se adaptarem às futuras exigências do sector. 
Nos próximos tempos, a empresa vai prosseguir com a mudança da tubagem que possibilita o abastecimento de água à cidade, já que a maior parte da mesma se encontra danificada devido ao tempo de uso.
Grande parte deste trabalho foi realizado na parte alta da cidade, em 2009. Em 2010, um número considerável de zonas da baixa do Huambo beneficiou deste trabalho e, futuramente, a EPAH projecta prosseguir para a zona industrial e suburbana, e para as áreas em que ficam localizadas as novas urbanizações.

Tempo

Multimédia